Mercado abrirá em 6 h 40 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,28
    -0,08 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.838,20
    +8,30 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    36.443,29
    +1,56 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    715,72
    -19,42 (-2,64%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.710,91
    +848,14 (+2,94%)
     
  • NIKKEI

    28.653,57
    +411,36 (+1,46%)
     
  • NASDAQ

    12.929,75
    +127,50 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4045
    +0,0092 (+0,14%)
     

Apesar de PIB, desemprego e dívida superam emergentes

FÁBIO PUPO
·4 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Brasil apresentou retração econômica menos forte do que pares emergentes durante a pandemia do novo coronavírus em 2020, principalmente por criar medidas como o auxílio emergencial para mais de 60 milhões de pessoas. No entanto, o país aumentou de forma expressiva seu já elevado endividamento e deixou de tomar medidas permanentes como reformas para a revisão do Orçamento público enquanto vê problemas sociais como o desemprego avançarem. Na comparação entre 14 países (sendo 7 emergentes e 7 desenvolvidos), o Brasil figura na quinta melhor posição quando o critério é previsão para o PIB (Produto Interno Bruto) em 2020. Fica atrás apenas de China, Rússia, Estados Unidos e Japão. Os dados são do FMI (Fundo Monetário Internacional) e foram compilados pela FGV (Fundação Getulio Vargas) a pedido da Folha. A posição no ranking de 2020 foi alcançada após uma emissão significativa de dívida para bancar as medidas anticrise, o que gerou o segundo maior pacote de estímulos fiscais da América Latina (11,1% do PIB), de acordo com o Banco Mundial. Rafael Muñoz Moreno, economista-sênior do Banco Mundial e colunista da Folha, afirma que as medidas brasileiras foram fortes e abrangentes. "A resposta contracíclica do Brasil foi bem grande. Foi um pacotão com várias características, incorporando transferências sociais, auxílio a empresas e ajuda para manter empregos", disse. Outro ponto considerado positivo foi a real execução das medidas. Cerca de 40 dias após a confirmação do primeiro caso, o auxílio emergencial começou a ser creditado nas contas da população. "Não são todos os países que conseguiram implementar [as medidas anunciadas], e estamos falando de milhões de brasileiros recebendo dinheiro em suas contas", diz. Ele considera fundamental para a velocidade da implementação a existência de uma rede prévia de proteção social formada ao longo dos governos anteriores. "O Brasil já tinha sistemas para isso. O fato de já ter o Cadastro Único [de recebedores de programas sociais], o fato de já ter um Bolsa Família, tudo isso fez com que o Brasil tivesse uma resposta mais rápida", diz. Por outro lado, as medidas custaram R$ 620 bilhões e farão a dívida bruta do Brasil saltar de 75% para 91% do PIB. Em valores brutos, o valor já passa de R$ 4,7 trilhões. Nos últimos meses, o Tesouro Nacional tem enfrentado juros mais caros e prazos de vencimento mais curtos diante de fatores como a maior percepção de risco dos investidores no longo prazo. O significativo aumento da dívida não será exclusividade do Brasil. Países como México, Chile, Colômbia e Peru verão aumentos de mais de 10 pontos percentuais de suas obrigações em relação ao PIB. A grande diferença entre o Brasil e seus pares na região, afirma o relatório do Banco Mundial, é que o crescimento da dívida do país parte já de uma base muito alta, apenas com a Argentina tendo um nível parecido. Por isso, Muñoz diz que o país deve entrar no segundo tempo do jogo e encarar mudanças estruturais para buscar o reequilíbrio das contas e crescer. "Entramos em um momento em que temos que verbalizar as reformas, porque a urgência delas aumentou. Elas são mais necessárias que nunca", afirma. Um dos principais objetivos é acelerar o crescimento para gerar postos de trabalho. A previsão dos dados do FMI colhidos pela FGV é que o desemprego no Brasil fique acima de 14% em 2021, o segundo maior entre todas as 15 economias analisadas (só não em situação pior que a África do Sul). Pela metodologia do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a taxa de desocupação já chegou a um recorde de 14,2% em novembro. Marcel Balassiano, pesquisador da área de economia aplicada do FGV/IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), afirma que o país se comportou mal durante a pandemia. Ele lembra de fatos como as trocas de ministros da Saúde em plena crise provocada pelo novo coronavírus e a escalada nas infecções, que acabaram obrigando os gastos orçamentários. A própria espera pela vacinação enquanto países desenvolvidos já imunizam suas populações arrisca a necessidade de mais medidas extraordinárias e atrasa a retomada do país, diz. Apesar disso, Balassiano afirma que, mesmo sem a pandemia, a situação do Brasil não seria tão animadora, já que nos últimos dez anos a atividade cresceu 0,2% ao ano em média. "O coronavírus não é a raiz dos nossos problemas, ele os reforçou", afirma. Para ele, acelerar o crescimento é ainda mais necessário depois da Covid-19 porque o país entrou na pandemia sem ter se recuperado totalmente das crises de 2015 e 2016. "Precisamos recuperar as perdas dessa década. Por isso as reformas são tão importantes", diz. "‹Entre as listadas pelos especialistas, estão as reformas administrativa, tributária e outras que estimulem a competitividade. A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), por exemplo, defende que o governo melhore a eficiência de gastos, amplie a produtividade e aprimore políticas de capacitação profissional. A Organização afirmou em relatório neste mês que um programa de reformas ambicioso para melhorar a regulamentação e a concorrência, reduzir as barreiras ao comércio exterior e reforçar as instituições e a governança econômica impulsionaria o crescimento do PIB per capita em 0,9 ponto percentual ao ano durante 15 anos.