Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.362,05
    +1.256,20 (+3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

Apesar de endurecimento da quarentena, comércio de rua gera aglomeração no centro de SP

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO — Mesmo com as regras mais duras para a quarentana anunciadas na última segunda-feira pelo governo de São Paulo, várias ruas do centro da capital paulista conhecidas pelo comércio popular amanheceram lotadas, gerando aglomerações em meio à alta de casos, óbitos e internações por Covid-19.

O estado de São Paulo registrou um aumento de 25% na média diária de óbitos nos últimos 14 dias. Segundo dados do Sistema de Monitoramento, que calcula a taxa de isolamento social no estado, o índice nesta semana foi de 39%, próximo ao registrado no período anterior à pandemia.

Segundo informações do "G1", tanto ruas do Brás, como na 25 de Março, comerciantes ambulantes, vendedores e consumidores formaram uma multidão.

Com o endurecimento das regras da quarentena, a cidade de São Paulo tem novas restrições no funcionamento dos comércios. Caso sigam as regras, eles devem funcionar pro dez horas e com 40% da capacidade.

Imagens realizadas pela "TV Globo" flagraram ainda algumas pessoas que sequer estavam usando máscaras.

O aumento da frequência de pessoas na região é esperado em razão da proximidade das festas de fim de ano. Além de pessoas da própria cidade, muitos clientes são de outras cidades ou até mesmo outros estados.

Segundo o "G1", comerciantes da região afirmam que esperam receber nas próximas semanas até 300 mil pessoas.