Mercado abrirá em 5 h 56 min

Apesar de queda geral, preço do botijão de gás continua a subir

Gás de cozinha aumentou nas últimas semanas, aponta a ANP
Gás de cozinha aumentou nas últimas semanas, aponta a ANP
  • Gasolina, diesel e etanol estão vendo reduções para o consumidor final;

  • Gás de cozinha ainda é o vilão dos derivados de petróleo no bolso do cidadão;

  • Petrobras já abaixou o preço de revenda em R$ 2,60 pelo barril de 13 quilos.

Com a queda dos preços do barril de petróleo no mercado internacional e a redução de impostos associados ao produto, a Petrobras vem anunciando uma série de reduções no valor dos combustíveis vendidos às distribuidoras. No entanto, um item segue sendo o vilão do orçamento familiar: o gás de cozinha.

A gasolina, o diesel e o etanol já registraram inúmeras baixas no preço nos últimos meses. Só nesta semana o etanol teve um reajuste de 2,83% no preço médio nacional, apontou a Agência Nacional do Petróleo (ANP), enquanto a Petrobras anunciou uma redução em R$ 0,30 no preço do diesel, que entra em vigor a partir de terça-feira (20).

Porém, o botijão de 13 quilos do gás liquefeito de petróleo, conhecido popularmente como gás de cozinha, marcou sua terceira semana consecutiva de aumento, segundo a ANP. O item passou de R$ 111,57 para R$ 111,91 na sema passada, e nesta semana de R$ 111,91 para R$ 113,25, uma alta de 1,19% nos últimos sete dias.

A alta, no entanto, é referente a atrasos no mercado e nas distribuidoras de se adaptarem aos novos preços. Na última segunda-feira (12), a Petrobras anunciou uma redução de 4,72% no preço de venda do botijão, o que representa R$ 2,60 a menos no preço do botijão de 13 quilos.

No entanto, com o produto tem uma rotatividade menor, espera-se que o estoque sendo vendido atualmente tenha sido comprado com um custo maior, atrasando o reajuste para o consumidor final. Para as revendedoras, a expectativa é que na próxima semana já comecem a ser sentidos os resultados das reduções da Petrobras.