Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,98
    +0,15 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.690,00
    -10,70 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    47.035,12
    -3.868,67 (-7,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    942,39
    -44,82 (-4,54%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.664,77
    -265,34 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.372,00
    -83,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Apesar de apelo de Bolsonaro a caminhoneiros, ministério descarta risco de greve

FILIPE OLIVEIRA E MARIANA GRAZINI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apesar do apelo feito por Bolsonaro aos caminhoneiros para que não paralisem as estradas na segunda-feira (1º), a avaliação dentro do Ministério da Infraestrutura até a manhã desta quarta (27) ainda era a de que não existe a menor chance de acontecer uma greve da proporção de 2018, quando os motoristas pararam o país. Até a informação de que o Ministério da Economia neutralizaria o efeito do aumento do diesel com redução do PIS/Cofins não é vista na Infraestrutura como determinante para acalmar um eventual protesto. É que os monitoramentos diários da categoria feitos por quem acompanha o assunto no ministério não captaram um impacto muito grande após o anúncio do encarecimento do combustível nesta terça (26). Havia, de fato, uma expectativa de que os caminhoneiros fariam barulho porque eles têm criticado duramente a política de preços da Petrobras. Mas a repercussão esperada não se confirmou. A quarta-feira até que começou tensa com cenas de uma manifestação de caminhões do setor frigorífico em São Paulo. Mas o ministério logo deu o diagnóstico: o protesto não tinha qualquer relação com as ameaças de greve da semana que vem. Era apenas um ato contra as mudanças no ICMS do estado.