Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,19
    -0,31 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.769,90
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    22.779,21
    -677,50 (-2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,93
    -15,80 (-2,83%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.836,64
    +72,73 (+0,37%)
     
  • NIKKEI

    28.967,94
    +25,80 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.512,75
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Aperto monetário desacelera crescimento, mas taxa de investimento traz impulso, diz Guedes

·1 min de leitura
Pessoas caminham em rua no centro do Rio de Janeiro

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira que o processo de elevação da taxa de juros pelo Banco Central (BC) desacelera o crescimento do país, mas ponderou que a melhora observada no ritmo de investimentos aponta para dados positivos na atividade à frente.

Em apresentação no Encontro Anual da Indústria Química, Guedes afirmou ainda que o Brasil vai crescer e "sair do buraco", mesmo que em menor velocidade durante o combate à inflação.

Segundo ele, o governo fez uma despolitização da moeda ao aprovar a autonomia formal do BC.

"De um lado, temos um fator de desaceleração, que é a atuação do Banco Central combatendo a inflação, mas, de outro lado, temos um fator de sustentação do crescimento, que é a taxa de investimento", afirmou.

De acordo com o ministro, a proporção de investimentos em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) atingiu pico de 19,4% e deve caminhar para 20% em 2022.

Guedes voltou a comentar o resultado do PIB do terceiro trimestre, afirmando que o dado --que apontou retração de 0,1% sobre o segundo trimestre-- foi puxado pela agricultura, que desabou 8%, segundo ele, em função do mau tempo.

O ministro rebateu críticas de que o país não está crescendo e afirmou que a recuperação em "V" da atividade já aconteceu. Para ele, afirmações de que não há sustentação fiscal no Brasil são "loucura e militância".

"Previsões catastróficas nos perseguem desde o primeiro dia de governo. [...] Não significa que eu ache que é o melhor governo do mundo, mas não é tão ruim quanto estão dizendo", afirmou.

(Por Bernardo Caram)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos