Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,41 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,34 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,15
    +1,55 (+1,81%)
     
  • OURO

    1.818,80
    -33,70 (-1,82%)
     
  • BTC-USD

    36.467,11
    -163,71 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,69
    -20,12 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,64 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,29 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -120,01 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.150,75
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1064
    -0,0457 (-0,74%)
     

Aperto “agressivo” ancorada moedas latinas, diz Credit Agricole

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- O aperto agressivo da política monetária na América Latina pode ser uma âncora suficientemente forte para as moedas da região em 2022, apesar das fraquezas estruturais, incerteza política e desequilíbrios macroeconômicos, segundo avalia o Credit Agricole.

Most Read from Bloomberg

“Embora sejamos, no geral, simpáticos à visão de dólar forte, acreditamos que as moedas latino-americanas permanecerão relativamente estáveis e prevemos apenas uma ligeira depreciação na maioria dos casos”, escreveram estrategistas incluindo Sébastien Barbe e Olga Yangol em uma nota nesta quarta-feira.

A maioria das moedas latino-americanas se depreciou significativamente em 2021 e parecem barata com base no desconto da taxa de câmbio efetiva real em relação às médias históricas e em relação aos termos de troca, escreveram.

Os riscos para as moedas da região incluem altos níveis de endividamento, processo constitucional no Chile e próximas eleições na Colômbia e no Brasil.

O dólar recua ante o real nesta quarta-feira. A moeda brasileira se valorizou na terça-feira, quando registrou o melhor desempenho do mundo, reduzindo sua performance inferior no acumulado do ano para seus pares mais próximos, como peso mexicano e rand.

No Brasil, o Copom elevou a Selic em 1,5 ponto porcentual, para 9,25%, em dezembro, e projetou outro ajuste da mesma magnitude para a próxima reunião. Em janeiro, BC do Peru aumentou sua taxa básica de juros em meio ponto percentual para 3%. Na Colômbia, taxa básica de juros subiu em dezembro para 3%. Outros países da América Latina também elevaram suas taxas.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos