Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.121,85
    +2.825,67 (+2,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.866,63
    -23,03 (-0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,43
    -0,33 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.807,40
    +11,10 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    62.750,74
    +2.142,27 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.503,29
    +1.260,61 (+519,46%)
     
  • S&P500

    4.565,19
    +20,29 (+0,45%)
     
  • DOW JONES

    35.730,55
    +53,53 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.501,75
    +160,75 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4453
    -0,1355 (-2,06%)
     

Apenas um terço dos menores frequentam aulas presenciais na América Latina

·2 minuto de leitura

Dois em cada três menores de idade seguem sem frequentar aulas presenciais na América Latina e no Caribe, por causa da pandemia, o que coloca essas crianças em risco de sofrer violência ou cair nas mãos de gangues, alertou o Unicef nesta quinta-feira (16).

“Quase duas em cada três crianças e adolescentes ainda estão fora da sala de aula na América Latina e no Caribe”, afirmou esta agência da ONU em um comunicado divulgado de sua sede regional no Panamá.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), após um ano e meio de pandemia, cerca de 86 milhões de crianças continuam fora da escola, em comparação com 47 milhões que já retomaram o aprendizado presencial.

Os dados mais recentes a nível mundial mostram que as escolas não estão associadas a um aumento na transmissão da covid-19, apontou o Unicef.

“Nos últimos 18 meses, a maioria das crianças e adolescentes da América Latina e do Caribe não viu seus professores ou amigos fora de uma tela. Quem não tem internet simplesmente não os viu”, disse Jean Gough, diretora do Unicef para a região.

Gough advertiu que a cada dia que passa sem que as crianças mais pobres e vulneráveis frequentem a escola, elas correm o risco de "abandonar a escola" e cair na "violência de gangues, abuso ou tráfico de pessoas".

“A educação virtual deve continuar e melhorar, mas está claro que durante a pandemia as famílias mais marginalizadas não tiveram acesso ao aprendizado”, observou Gough.

De acordo com o Unicef, durante a pandemia, a América Latina e o Caribe tiveram mais fechamentos ininterruptos de escolas do que qualquer outra região do mundo.

No total, uma média de 153 dias de aula presencial foram perdidos desde o início da pandemia. A paralisação generalizada das instituições de ensino causou a maior interrupção do aprendizado na história moderna da região, acrescentou a agência.

“Os riscos de ficar fora da escola são muito altos, maiores do que os riscos de estar na escola. As crianças desta região já faltaram mais de um ano à escola. Não podem perder mais um dia de aprendizagem presencial", disse Gough.

jjr/yow/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos