Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,56
    +2,13 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.808,50
    +7,00 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    20.386,36
    +1.133,21 (+5,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    441,99
    +21,85 (+5,20%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.505,37
    +351,56 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    11.701,75
    +90,50 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5471
    -0,0069 (-0,12%)
     

Apenas 2,17% dos alertas de desmatamento foram fiscalizados pelo governo federal, aponta monitor do MapBiomas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Dados do Monitor da Fiscalização do Desmatamento, lançado nesta terça-feira pelo MapBiomas, apontam que, até março deste ano, apenas 2,17% dos alertas de irregularidades ambientais foram fiscalizados pelo Governo Federal. A área corresponde a 13,1% do total de desmatamento detectado desde 2019. Entre os cinco estados brasileiros monitorados pela plataforma, o Pará é o que possui o maior número de alertas — mais de 60 mil desde janeiro de 2019 — e a menor fiscalização: em apenas 1,8% desses alertas incidem autorizações ou embargos do governo estadual, o que representa menos de 10% do desmatamento total publicado.

O Monitor é uma iniciativa do MapBiomas liderada pelas equipes do Instituto Centro de Vida (ICV) e Brasil.IO, e apresenta estatísticas em tempo real sobre autorizações de desmatamento e ações de fiscalização por parte do governo federal e dos governos estaduais de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará e São Paulo — únicas unidades federativas que, até o momento, disponibilizaram dados de fiscalização ambiental.

Um dos levantamentos realizados pelas instituições com dados do governo federal, mostra que mais de 97% dos alertas de desmatamento no Brasil não possuem registro de policiamento desde janeiro de 2019.

— O que foi possível constatar com o Monitor da Fiscalização do Desmatamento é que apesar da abundância de informações e evidências de crimes ambientais, as ações de fiscalização ainda estão aquém do necessário para coibir o desmatamento — afirma a coordenadora do ICV, Ana Paula Valdiones, uma das responsáveis pela plataforma.

O cenário só se torna mais positivo ao analisar individualmente os estados. A região mato-grossense é a que apresenta o melhor resultado: 29,5% dos mais de 13 mil alertas de desmatamento foram averiguados. Quando considerada a área total dos avisos com alguma ação ou autorização o percentual sobe para 41%.

Em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e o Instituto Estadual de Florestas foram responsáveis por monitorar 22,4% dos alertas de desmatamento publicados na região. Os mapeamentos representam 34,6% da área total desmatada. São Paulo conseguiu policiar 21% dos alertas de desflorestamento e Goiás apenas 10,3%. Os percentuais correspondem, respectivamente, a 26% e 24,8% das áreas afetadas.

— A aplicação de multas, apreensões, embargos, interdições, entre outras medidas dos órgãos competentes, podem impedir danos ambientais, punir infratores e evitar futuras infrações ambientais. Dar transparência e publicidade às ações de fiscalização do desmatamento permite aos tomadores de decisão, especialmente no setor privado e financeiro, uma visão mais clara dos riscos que correm em relação à contaminação da cadeia produtiva com produtos oriundos locais com atividades ilegais de desmatamento", destaca — explica Tasso Azevedo, coordenador geral do MapBiomas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos