Mercado abrirá em 6 h 44 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,26
    +0,18 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.775,90
    -7,50 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    32.817,83
    -1.281,36 (-3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    791,68
    -18,51 (-2,28%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.887,63
    +70,56 (+0,24%)
     
  • NIKKEI

    28.856,48
    -18,41 (-0,06%)
     
  • NASDAQ

    14.299,75
    +36,75 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9286
    +0,0001 (+0,00%)
     

Apagão: Bolsonaro edita decreto para compra de energia reserva

·1 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro attends a ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil, May 26, 2021. REUTERS/Ueslei Marcelino
O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto nesta sexta-feira (28) (Ueslei Marcelino/Reuters)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou hoje um decreto para evitar novos apagões, como o que aconteceu nesta sexta-feira (28) com a usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Com ele, são regulamentados leilões para compra de reserva de capacidade na forma de potência, o que poderá ser usado caso falte energia para os consumidores do SIN (Sistema Interligado Nacional). As informações são do UOL. 

Leia também:

O objetivo da contratação desse tipo de reserva, de acordo com o governo federal, é fazer com que o sistema de energia se torne mais “seguro e estável”, suprindo possíveis flutuações na demanda, como a que aconteceu nesta sexta e afetou vários estados. 

Como será contratação

O montante de reserva de energia será comprado por definição do Ministério de Minas Energia e os custos para aquisição serão divididos entre os usuários do SIN, proporcionalmente ao consumo. A contratação será por meio de um leilão feito pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). 

Ao deixar de depender apenas de hidrelétricas e termelétricas, a matriz energética brasileira agora tem usinas eólicas, solares e hidrelétricas a fio d’água, sem reservatório, como lembra a assessoria da Secretaria-Geral da Presidência, em nota. Sendo assim, garantir o suprimento de potência se tornou algo mais importante para o governo, já que as “fontes geradoras não possuem capacidade para modular sua geração a cada momento, (...) uma vez que estão sujeitas à oscilação de eventos naturais”, acrescentou o órgão. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos