Mercado fechará em 2 h 46 min

Após Weintraub chegar aos EUA, governo publica exoneração de ex-ministro

Abraham Weintraub

O presidente Jair Bolsonaro publicou a exoneração de Abraham Weintraub do cargo de ministro da Educação. Weintraub saiu do Brasil na última sexta-feira (19), ainda com as prerrogativas de ministro de Estado, rumo aos Estados Unidos.

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub deixou o Brasil e está nos Estados Unidos, segundo informou na manhã deste sábado seu irmão, Arthur Weintraub, assessor especial da Presidência da República.

Leia também

Ontem, o ex-dirigente do Ministério da Educação (MEC), que anunciou sua demissão na última quinta-feira, publicou nas redes sociais que pretendia deixar o país "o mais rápido possível".

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O MEC confirmou que o ex-ministro está nos EUA e acrescentou que ele foi de avião comercial em classe econômica. Ainda de acordo com o MEC, Abraham Weintraub deixou o Brasil na sexta-feira em voo que partiu de São Paulo. Em seu lugar, ficou, de forma interina, o secretário-executivo da pasta, Paulo Vogel.

IDA RELÂMPAGO AOS EUA

Em seu discurso ao anunciar a saída do cargo, em um vídeo ao lado de Bolsonaro, Weintraub relatou insegurança diante de ameaças a ele e seus familiares. O ministro não comentou os motivos de sua demissão, mas informou que irá assumir um cargo no Banco Mundial, em Washington, nos Estados Unidos.

“O importante é dizer que eu recebi o convite pra ser diretor de um banco, eu já fui diretor de um banco no passado, volto ao mesmo cargo, mas no Banco Mundial. O presidente já referendou (a indicação ao Banco Mundial), obrigado, presidente, e com isso, eu, a minha esposa, os nossos filhos e até nossa cachorrinha, Capitu, a gente vai poder ter segurança, o que hoje está me deixando muito preocupado”, discursou o ex-ministro no vídeo divulgado na quinta (18).

A saída de Weintraub já vinha sendo especulada em Brasília por ser um dos protagonistas das recentes tensões entre os três Poderes, e faz parte de uma trégua que está sendo construída por interlocutores de Bolsonaro. A relação do ex-ministro com o Congresso também foi uma das justificativas da demissão. 

Weintraub está sendo investigado no inquérito das fake news conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, e também é investigado por declarações racistas em relação aos chineses. Foi dele a fala na reunião ministerial do dia 22 de abril de que “eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando pelo STF”, que tornou-se pública com a divulgação do vídeo pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

com Agência O Globo