Mercado fechará em 1 h 13 min
  • BOVESPA

    112.612,50
    +1.323,32 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.079,55
    +42,50 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,71
    -0,64 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -37,40 (-2,04%)
     
  • BTC-USD

    36.280,49
    -1.876,81 (-4,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    829,94
    +10,43 (+1,27%)
     
  • S&P500

    4.342,42
    -7,51 (-0,17%)
     
  • DOW JONES

    34.225,99
    +57,90 (+0,17%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.117,00
    -41,50 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0415
    -0,0649 (-1,06%)
     

Após wallet, Uala lança corretora própria na Argentina

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- A startup argentina de serviços financeiros Uala está lançando uma corretora própria para aumentar as opções de investimento oferecidas aos clientes em seu aplicativo de carteira virtual.

Most Read from Bloomberg

A corretora Ualintec Capital começa a operar nesta terça-feira, permitindo que alguns usuários na América do Sul comprem dólares por meio de uma taxa paralela conhecida localmente como Dólar MEP, explicou o fundador e CEO Pierpaolo Barbieri. Eventualmente, ele quer que os usuários comprem recibos equivalentes a ações dos EUA (os chamados Cedears) e pretende oferecer fundos próprios no início de 2022.

A Uala, avaliada em US$ 2,5 bilhões na última rodada de financiamento, é uma das muitas fintechs que enfrentam as instituições tradicionais em um momento em que a classe média da região busca serviços financeiros mais sofisticados. Na Argentina, onde a inflação em 12 meses chega a 50%, a Uala permite que os usuários invistam o dinheiro armazenado em suas carteiras virtuais em um fundo de curtíssimo prazo. A opção caiu no gosto do público e foi adotada por 1,3 milhão dos 3,5 milhões de usuários da fintech no país.

Os clientes continuarão tendo a opção de investir nesse fundo, que desde novembro de 2019 é oferecido por meio de uma parceria com a corretora local SBS Asset Management. Agora, Barbieri quer dar aos usuários a opção de investir em seus próprios produtos.

“Queremos complementar isso com oferecimentos que podem proporcionar melhor retorno ou têm perfil de risco diferente”, disse ele em entrevista. Considerando que a Uala hospeda mais de 30% de todas as contas de investimento na Argentina, “por que daríamos esse negócio para outra corretora?”

A compra de dólares por meio de uma série de operações com títulos é conhecida como Dólar MEP. A modalidade ganhou popularidade na Argentina, onde rigorosos controles de capital só permitem a compra de US$ 200 por mês através dos canais oficiais, devido às medidas do governo para preservar as reservas estrangeiras. Essas compras também são alvo de impostos elevados. A taxa de câmbio MEP é de cerca de 200 pesos por dólar, o dobro da taxa oficial.

A Ualintec tem uma equipe dedicada de cerca de 20 pessoas, lideradas por Andres Rodriguez Ledermann, o principal gestor de fortunas da Uala. Usuários maiores de 18 anos poderão acessar as opções de investimento por meio do aplicativo Uala.

Como parte de seu plano de crescimento, a empresa anunciou aquisições de um banco na Argentina e outro no México no início deste ano. Isso abre caminho para a companhia ter licenças bancárias nos dois países quando as transações forem liberadas pelas autoridades reguladoras. Barbieri não quis comentar o andamento do processo para obter essas aprovações.

A companhia também anunciou na semana passada a expansão do programa de fidelidade para todos os clientes na Argentina e adicionará serviços, incluindo uma aliança para acúmulo de milhagem na American Airlines.

O conglomerado japonês SoftBank Group e a gigante chinesa de internet Tencent Holdings estiveram à frente da recente rodada de financiamento da Série D, de US$ 350 milhões. A empresa também tem a retaguarda de investidores como George Soros, Steve Cohen e Goldman Sachs Group.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos