Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,24
    -0,11 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.818,50
    -11,20 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    37.029,79
    +140,76 (+0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    845,35
    -10,46 (-1,22%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,30 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    26.987,27
    -24,06 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    14.203,50
    +45,00 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1054
    -0,0010 (-0,02%)
     

Após um ano de recuperação, o petróleo promete novas altas em 2022

·2 min de leitura
Bomba de petróleo na Bacia Permian, em Loving County (Texas)

Por Stephanie Kelly e Bozorgmehr Sharafedin e Koustav Samanta

NOVA YORK (Reuters) - A demanda global por petróleo voltou a crescer em 2021 quando o mundo começou a se recuperar da pandemia de coronavírus, e o consumo mundial geral poderia atingir um novo recorde em 2022 - apesar dos esforços para reduzir o consumo de combustível fóssil para mitigar das alterações climáticas.

O uso de gasolina e diesel aumentou neste ano, à medida que os consumidores retomaram as viagens e a atividade comercial aumentou. Para 2022, o consumo de petróleo deve chegar a 99,53 milhões de barris por dia (bpd), ante 96,2 milhões de bpd neste ano, segundo a Agência Internacional de Energia. Isso seria algo menos que o consumo diário de 2019, de 99,55 milhões de barris.

O cenário colocará pressão sobre a Opep e a indústria de "shale" dos EUA para atender à demanda - depois de um ano em que os principais produtores foram surpreendidos pela recuperação da atividade que sobrecarregou a oferta e levou a estoques apertados em todo o mundo. Vários países da Opep têm lutado para aumentar a produção, enquanto a indústria de shale dos EUA tem que lidar com as demandas dos investidores para conter os gastos.

O desconhecido é a variante do coronavírus Ômicron, já que vários países impuseram restrições às viagens, o que prejudicará o consumo e a indústria da aviação.

"Se esta for outra onda como as que vimos antes, é um golpe negativo para o crescimento econômico no primeiro trimestre de 2022", disse Damien Courvalin, chefe de pesquisa de energia da Goldman Sachs. "Mas se houver uma recuperação subsequente, a demanda de petróleo, que tocou brevemente os níveis pré-Covid no início de novembro, atingirá novos recordes na maior parte de 2022."

(Por Stephanie Kelly em Nova York, Bozorgmehr Sharafedin em Londres e Koustav Samanta em Cingapura; reportagem adicional de Florence Tan em Cingapura)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos