Mercado abrirá em 6 hs
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.842,20
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    38.945,49
    -2.960,73 (-7,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    919,84
    -75,42 (-7,58%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.843,46
    -108,89 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    27.469,96
    -302,97 (-1,09%)
     
  • NASDAQ

    14.705,00
    -136,00 (-0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1362
    +0,0061 (+0,10%)
     

Após ter covid-19, quanto tempo devo esperar para tomar o reforço da vacina?

·3 min de leitura

Após diagnóstico positivo para a covid-19, a pessoa deve aguardar pelo menos 4 semanas para receber o reforço ou a segunda dose da vacina, conforme orienta o Ministério da Saúde. A informação é importante, já que, nas últimas semanas, casos da infecção voltaram a subir no Brasil, de acordo com levantamento do Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

A variante Ômicron (B.1.1.529) — considerada mais transmissível do que as outras cepas — e o relaxamento das medidas de proteção são as principais justificativas para o aumento de casos da covid-19 no Brasil. Vale lembrar que imunizantes são desenvolvidos para reduzir os riscos graves de infecções e óbitos pela covid-19, mas não impendem, com 100% de eficácia, novos casos da covid-19.

Pessoa deve aguardar pelo menos 4 semanas para receber vacina, após diagnóstico da covid-19 (Imagem: Reprodução/Ha4ipuri/Envato)
Pessoa deve aguardar pelo menos 4 semanas para receber vacina, após diagnóstico da covid-19 (Imagem: Reprodução/Ha4ipuri/Envato)

Reforço da vacina pós-covid

Para uma pessoa tomar a dose de reforço no Brasil, além de ter mais de 18 anos, é necessário que ela tenha recebido a segunda dose do imunizante da Pfizer/BioNTech, da Coronavac ou da AstraZeneca/Oxford há pelo menos 4 meses.

Já quem tomou a vacina da Janssen (Johnson & Johnson), o recomendado é receber, com intervalo de dois meses, a dose adicional do mesmo imunizante. Na ausência, é possível tomar como segunda dose a vacina da Pfizer.

Agora, quem foi recentemente infectado pelo coronavírus, deverá aguardar um tempo maior para receber a dose de reforço do imunizante contra a covid-19. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, a vacinação deverá ser adiada pelo período mínimo de 4 semanas em caso de suspeita ou confirmação do quadro.

  • Caso de suspeita do coronavírus: o tempo poderá ser reduzido, caso seja possível identificar o correto diagnóstico da doença, como um caso de gripe (influenza). Nessas circunstâncias, a pessoa poderá receber o reforço, normalmente, após os quatro meses da última dose;

  • Caso confirmados da covid-19: a pessoa "deve aguardar melhora completa do quadro, respeitando o intervalo mínimo de 4 semanas desde o início dos sintomas", segundo a secretaria. Para iniciar a contagem, é possível considerar a data da coleta da amostra positiva no teste de PCR.

Ambas as recomendações de intervalo de tempo valem também para os pacientes que buscam receber a primeira ou a segunda dose da vacina contra a covid-19.

Tomei antes do tempo. Há riscos?

O intervalo de 4 semanas é o recomendado, já que a infecção do coronavírus deve sobrecarregar o sistema imune do paciente e anticorpos já serão produzidos, naturalmente, contra a doença. Nessas circunstâncias, a vacina pode não desencadear o efeito desejado e, segundo os estudos clínicos, os benefícios da fórmula são para prevenção, sem efeito de Profilaxia Pós-Exposição (PEP).

No entanto, "é improvável que a vacinação de indivíduos infectados (em período de incubação) ou assintomáticos tenha um efeito prejudicial sobre a doença", destaca o Ministério da Saúde, no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19.

"Como a piora clínica [da covid-19] pode ocorrer até duas semanas após a infecção, idealmente a vacinação deve ser adiada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas ou quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva em pessoas assintomáticas", completa a Saúde.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos