Mercado abrirá em 5 h 41 min
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,32
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.779,80
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    34.215,96
    +1.199,39 (+3,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,24
    +34,63 (+4,40%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.126,97
    +17,00 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    29.279,90
    +397,44 (+1,38%)
     
  • NIKKEI

    29.066,18
    +190,95 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    14.360,25
    +6,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8696
    +0,0073 (+0,12%)
     

Após semana turbulenta, bitcoin opera com leve alta nesta segunda-feira

·2 minuto de leitura
Após semana turbulenta, bitcoin opera com leve alta nesta segunda-feira
Após semana turbulenta, bitcoin opera com leve alta nesta segunda-feira

Passado o período turbulento enfrentado na última semana, o bitcoin voltou a dar indícios de recuperação. Na manhã desta segunda-feira (24), a criptomoeda mais negociada do mundo era cotada a US$ 37.610 (alta de 11% nas últimas 24 horas), com uma capitalização de mercado de US$ 703 bilhões, de acordo com a CoinDesk.

Outras moedas como ether e dogecoin também apresentavam bom desempenho: a primeira subia 25% e era cotada a US$ 2.452, enquanto a criptomoeda meme avançava 12%, negociada a US$ 0,33. Poucas moedas digitais operavam no vermelho.

A recuperação do bitcoin acontece um dia após o ativo cair para menos de US$ 32.000, data em que marcou o fim da pior semana da criptomoeda desde 13 de março.

Na última terça-feira (18), a China alertou para que as instituições financeiras e empresas de pagamentos locais não forneçam quaisquer tipos de serviço (como registro, negociação, compensação e liquidação) envolvendo moedas digitais.

Na ocasião, o Banco Central da China (PBOC) alegou que as criptomoedas não são “moedas reais” e órgãos chineses destacaram que os valores das moedas digitais são facilmente manipulados e que os contratos comerciais não são protegidos pela lei do país. Como consequência, o preço do bitcoin chegou a despencar em 30%.

Ilustração de moeda bitcoin sendo destruída em cima de uma bandeira da China
Medidas da China fizeram com que o bitcoin e outras criptomoedas despencassem na última semana. Foto: Wit Olszewski/Shutterstock

Leia mais:

Inclusive, a mensagem foi reforçada pelo país asiático na última sexta-feira (21), o que provocou uma nova queda e fez com que a criptomoeda operasse abaixo dos US$ 40 mil no fim de semana.

Para piorar, o Departamento de Tesouro dos Estados Unidos disse na última quinta (20) que vai exigir que qualquer transferência de criptomoedas igual ou maior do que US$ 10 mil terá de ser relatada ao IRS, serviço de receita do Governo Federal americano. “A criptomoeda já representa um problema significativo de detecção, pois facilita atividades ilegais, incluindo a evasão de impostos”, justificou o órgão.

Além disso, as recentes notícias de que a Tesla pode vender cerca de 1 bilhão e meio de bitcoins, além de não aceitar mais o ativo como pagamentos na compra de carros, têm impactado no desempenho da moeda, que chegou a bater diversos recordes no começo de 2021.

Agora, o mercado deve observar recuperações mais “contidas” do bitcoin e de outras moedas digitais. Mas caso os reguladores internacionais voltem a reforçar suas medidas protetivas contra as criptomoedas, novas quedas serão observadas.

Fonte: CNBC

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos