Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.608,68
    -1.390,85 (-3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Após reunião com Guedes e Lira, Pacheco detalha fatiamento da reforma tributária entre Câmara e Senado

·1 minuto de leitura
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

BRASÍLIA (Reuters) - Após se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), relatou nesta segunda-feira como ficará o fatiamento das propostas referente à reforma tributária que vão tramitar nas duas Casas Legislativas.

Em um curto vídeo distribuído por sua assessoria, Pacheco disse que houve um consenso de que a reforma é fundamental, urgente e precisa simplificar o sistema de arrecadação sem, contudo, gerar aumento de carga tributária aos contribuintes brasileiros.

"Parte disso será de incumbência do Senado Federal, inclusive a reforma constitucional em matéria tributária caberá ao Senado tramitar, assim como o novo programa de regularização tributária, o Novo Refis para poder socorrer pessoas físicas e jurídicas nesta regularização tributária", disse ele.

"A Câmara dos Deputados ficará incumbida de uma série de projetos de iniciativa do Poder Executivo que discutam a base de Imposto de Renda, de IPI e de PIS-Cofins", acrescentou.

O presidente do Senado disse que há uma "comunhão de esforços" entre as duas Casas, alinhadas com o Poder Executivo, para haver a "mais ampla possível reforma tributária no Brasil".

A reforma tributária era objeto de uma comissão mista formada por senadores e deputados, mas a comissão não tem previsão regimental nem o poder de adiantar a tramitação da proposta. Havia sido criada apenas no intuito de facilitar a discussão política do tema, de forma a criar convergências entre as duas Casas e, dessa forma, tornar sua votação mais célere.

(Reportagem de Ricardo Brito)