Mercado fechará em 43 mins
  • BOVESPA

    111.004,16
    -2.426,38 (-2,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.642,55
    +78,28 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,35
    -2,52 (-3,20%)
     
  • OURO

    1.941,30
    -4,00 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    22.973,99
    -188,86 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,64
    +276,97 (+114,13%)
     
  • S&P500

    4.054,70
    -21,90 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    33.755,80
    -330,24 (-0,97%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.133,25
    -18,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5594
    +0,0438 (+0,79%)
     

Após posse de Marinho no Trabalho, empresas de app dizem querer diálogo sobre regulação da atividade

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diante do tom da fala do novo ministro do Trabalho, Luiz Marinho, que tomou posse nesta terça (3) prometendo preparar até o primeiro semestre uma proposta de regulação de aplicativos, trabalho que ele classificou como "semiescravo", as empresas do setor afirmam que é preciso ouvir todos os lados.

"Essa atuação por meio de aplicativos inclui milhões de famílias na economia, especialmente nos momentos em que a economia não vai bem", afirma o MID (Movimento Inovação Digital), que reúne mais de 150 empresas como Rappi, 99, Loggi, Zé Delivery e Lalamove.

Para a Amobitec, que representa nomes como Uber e Amazon, o debate deve ter "como premissas a flexibilidade e a autonomia que caracterizam as novas relações de trabalho intermediadas por aplicativos, apoiadas pela maioria dos trabalhadores".

Em nota, o iFood disse que apoia o debate sobre a regulação do trabalho em plataformas. "Desde 2021, defendemos publicamente um diálogo amplo sobre o tema que envolva entregadores, governo e setor. Como empresa brasileira, estamos abertos a colaborar na construção de um modelo que entenda as novas relações de trabalho e traga proteção e direitos aos trabalhadores", afirma a empresa.