Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.549,71
    -2,46 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Após polêmicas, FDA aprova remédio de Alzheimer apenas para sintomas leves

·1 minuto de leitura

Em junho, a agência federal norte-americana FDA (Food and Drug Administration) aprovou o polêmico remédio contra o alzheimer, Aduhelm. Mas após enfrentar críticas por aprovar o Aduhelm para todos os pacientes com Alzheimer, a FDA mudou suas diretrizes, recomendando que o medicamento seja administrado apenas a pessoas com sintomas leves.

O que acontece é que o remédio se concentra em uma possível causa da condição neurodegenerativa e do declínio cognitivo, uma proteína tóxica (beta-amiloide) que pode destruir os neurônios e causar demência. Mas um grupo de pesquisadores chegou à conclusão de que não havia evidências suficientes para afirmar que o tratamento trazia benefícios significativos para os pacientes.

Com isso, a agência reconheceu que não havia evidências convincentes de que Aduhelm retardasse o declínio cognitivo dos pacientes. Em vez disso, baseou sua aprovação na capacidade do medicamento de reduzir os níveis de toxinas na placa amiloide.

(Imagem: twenty20photos/envato)
(Imagem: twenty20photos/envato)

A nova orientação não impede que os médicos prescrevam o Aduhelm a pacientes com uma forma moderada ou grave de Alzheimer, mas envia uma mensagem forte aos médicos e seguradoras sobre quem deve receber o medicamento, recomendado, agora, para pacientes na fase inicial da doença.

A fabricante, Biogen, anunciou que cobraria US$ 56 mil (o equivalente a R$ 294 mil) anuais pelo medicamento. Vale apontar que, quando a Biogen conduziu testes clínicos do Aduhelm, incluiu apenas pessoas com sintomas leves de declínio cognitivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos