Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,87
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.689,80
    -10,90 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    46.654,25
    -4.190,41 (-8,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,16
    -56,05 (-5,68%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.711,06
    -525,73 (-1,80%)
     
  • NIKKEI

    28.476,12
    -453,99 (-1,57%)
     
  • NASDAQ

    12.349,00
    -106,00 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Após polêmica, Pornhub contrata empresa terceirizada para verificar envios

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

No final do ano passado, o Pornhub foi acusado de não coibir envios e, consequentemente, apoiar financeiramente vídeos de abuso infantil e outras questões ilegais em sua plataforma, resultando na remoção de uma série de publicações. Agora, a companhia informa que contratou uma empresa terceirizada para identificar se um perfil é confiável ou não para fazer uploads de vídeos na rede social.

De acordo com comunicado oficial, o monitoramento será feito por uma companhia chamada Yoti. A empresa é especializada em gerenciamento e verificação de documentos.

A movimentação é importante, já que o Pornhub derrubou de sua plataforma quaisquer produções contas não verificadas. No total, foram mais de 8 milhões de vídeo removidos na plataforma.

Com a nova regra, os uploads atualmente só podem ser feitos por parceiros oficiais ou membros do programa-modelo do Pornhub, que aceita afiliados. A Yoti será a responsável por decidir se um perfil é seguro e pode publicar na rede social.

Além disso, o comunicado também reforça ações do Pornhub para evitar que vídeos deste tipo sejam colocados na plataforma. Entre elas, está a expansão de moderadores humanos na verificação de conteúdos que podem ser nocivos na rede social.

Controvérsia

A questão começou em dezembro do ano passado, quando uma matéria do New York Times denunciou que vídeos sobre abuso infantil, pornô de vingança e outras questões ilegais não só estavam no site, bem como podiam ser monetizados.

Com isso, Mastercard e Visa, principais bandeiras de cartão de crédito do mundo, retiraram seus meios de pagamento do site, inviabilizando a monetização de vídeos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: