Mercado fechará em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    113.758,48
    -1.304,06 (-1,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,39
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.754,00
    -40,80 (-2,27%)
     
  • BTC-USD

    48.056,10
    -98,30 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,12
    +1,83 (+0,15%)
     
  • S&P500

    4.461,15
    -19,55 (-0,44%)
     
  • DOW JONES

    34.689,26
    -125,13 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.425,25
    -78,75 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1824
    -0,0136 (-0,22%)
     

Após polêmica com estátua, Hang promete novas lojas no Maranhão

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 06.08.2019 - O empresário Luciano Hang, dono da Havan, durante cerimônia de lançamento da ID Estudantil, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 06.08.2019 - O empresário Luciano Hang, dono da Havan, durante cerimônia de lançamento da ID Estudantil, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO LUÍS, MA (FOLHAPRESS) - O empresário bolsonarista Luciano Hang desembarcou nesta quarta-feira (1º) em São Luís para a inauguração da sua mais nova loja na capital maranhense, que acontece nesta quinta-feira (2).

A vinda do empresário acontece após uma série de polêmicas envolvendo a instalação de uma réplica da estátua da liberdade de 35 metros na frente da loja. O monumento foi alvo de críticas de artistas, parlamentares e entidades da sociedade civil.

Do lado de fora da Havan, localizada em uma das avenidas mais movimentadas da cidade, apoiadores o aguardavam com roupas verde e amarela, bandeiras do Brasil e um carro de som que ajudava na divulgação.

De acordo com lideranças dos movimentos conservadores do Maranhão, cerca de 500 pessoas receberam o empresário. Hang chegou na loja no início da noite e os cumprimentou.

Luciano Hang discursou em cima de um carro de som, agradeceu o apoio da população e mencionou que trará outras lojas para o Maranhão.

"Eu espero abrir mais lojas aqui no Maranhão e trazer mais emprego para a população. Tenho diversos colaboradores pelo Brasil que saíram do Maranhão em busca de oportunidade. Nós vamos fazer ao contrário, vamos construir mais lojas para que o povo maranhense volte para o estado", afirmou.

Hang também falou sobre as críticas que recebeu quanto a instalação da estátua da Liberdade na capital maranhense e disse que estas partiram de uma minoria.

"As críticas são normais. Acredito que temos que escutar todas as pessoas. Eu tenho certeza que democracia é escutar a maioria e não a minoria. Não é possível que não podemos instalar a estátua aqui na cidade porque uma minoria disse que não quer estátua aqui na cidade", afirmou.

A loja foi instalada na avenida Daniel de La Touche e fica a cerca de 12 km do centro histórico de São Luís, que é tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e reconhecido como Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco desde 1997.

Na última semana, Hang comemorou em suas redes sociais a instalação de uma réplica da Estátua da Liberdade. Alinhado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o empresário aproveitou a postagem para criticar o secretário de Cidades e Desenvolvimento Urbano da gestão Flávio Dino (PSB), Márcio Jerry.

Jerry, que também é deputado federal licenciado e presidente estadual do PC do B, havia criticado em julho a instalação da estátua na cidade.

"Só um imbecil absoluto como esse tal de veio da Havan para querer instalar na histórica e bela São Luís uma réplica da estátua da Liberdade. A Ilha Rebelde não aceitará a estupidez cafona", afirmou.

Hang rebateu as críticas do secretário de Flávio Dino após a instalação da estátua na loja da capital maranhense. Publicou um vídeo com as críticas de Jerry seguido de imagens da réplica da Estátua de Liberdade sendo instalada.

"Infelizmente, não me surpreende esse tipo de posicionamento vindo de alguns políticos, que são contra a liberdade, o emprego, a economia e o desenvolvimento. Mas, estou muito feliz com a receptividade dos ludovicenses", disse Hang.

Opositores da instalação organizaram uma petição online para pressionar a Justiça para impedir a construção do monumento.

Em vídeo divulgado em julho nas redes sociais, a atriz maranhense Claudiana Coutrim fez uma leitura de um manifesto, que critica a distorção que o monumento faria na paisagem urbana.

"Alguém consegue imaginar uma estátua da Liberdade em Olinda, Ouro Preto ou Diamantina? Não dá. A exemplo de São Luís, são cidades tombadas pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. Em qualquer um desses sítios urbanos, instituições como o Iphan reagiriam com rigor", diz a atriz no vídeo.

O cantor e compositor maranhense Zeca Baleiro também se posicionou contra a estátua. Ele destacou a importância do empreendimento na geração de empregos, mas disse que a loja não pode impor o seu padrão estético à cidade.

"Em um mundo razoável, nenhuma loja, marca ou empresa poderia chegar a uma cidade e impor certos conceitos estéticos, e nesse caso bem duvidosos, especialmente quando se fala de São Luís, com uma identidade arquitetônica tão peculiar. Essa estátua da Havan enfeia a cidade", afirmou.

A instalação da estátua também gerou discussões entre políticos maranhenses. O senador Roberto Rocha (PSDB) foi um dos principais entusiastas da construção da loja e da estátua. Já o governador Flávio Dino (PSB) preferiu não entrar na polêmica e não se pronunciou sobre o assunto.

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), também comemorou o empreendimento. "São Luís é livre! E sempre vai receber com entusiasmo empresas e iniciativas que gerem emprego e renda para nossa gente", disse Braide em julho nas suas redes sociais.

As estátuas da rede de lojas já protagonizaram polêmicas em outras cidades do país. Em Brasília e em Ribeirão Preto (SP), as lojas da rede catarinense foram erguidas sem as estátuas por restrições urbanísticas.

No caso de Ribeirão Preto, a estátua violaria o regramento da lei Cidade Limpa, que proíbe equipamentos publicitários de grande porte. Em Brasília, o monumento ia de encontro com o plano diretor de publicidade para o plano Piloto e regiões administrativas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos