Mercado fechará em 2 h 55 min
  • BOVESPA

    101.183,16
    -76,59 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.330,21
    -377,51 (-0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,67
    -1,18 (-2,96%)
     
  • OURO

    1.907,20
    +2,00 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    12.985,78
    -91,23 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,27
    -4,14 (-1,57%)
     
  • S&P500

    3.395,58
    -69,81 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    27.624,02
    -711,55 (-2,51%)
     
  • FTSE

    5.809,81
    -50,47 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.507,00
    -156,50 (-1,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6385
    -0,0254 (-0,38%)
     

Após pedido de príncipe árabe, Bolsonaro apoia saudita para sucessão na OMC

RICARDO DELLA COLETTA
·3 minutos de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após um pedido do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) determinou que o Brasil apoie o candidato daquele país, Mohammad Maziad Al-Tuwaijri, para o comando da OMC (Organização Mundial do Comércio). A entidade que supervisiona o comércio mundial está em processo de seleção de seu novo diretor-geral, após o brasileiro Roberto Azevêdo ter antecipado em mais de um ano sua saída do cargo. Na atual rodada de seleção, que terminou nesta terça-feira (6), cada país indicou dois candidatos de uma lista de cinco para permanecerem na disputa. Além de Al-Tuwaijri, o Brasil endossou a nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, disseram à reportagem membros do governo que acompanham o tema. A votação é secreta. Entre interlocutores que acompanham o assunto na OMC, a expectativa é que tenham passado para a rodada final Okonjo-Iweala e a coreana Yoo Myung-hee. Okonjo-Iweala é considerada uma das favoritas para substituir Azevêdo, uma vez que reúne apoio dos Estados Unidos e da União Europeia. Mas a inclusão do azarão Al-Tuwaijri entre as preferências brasileiras foi interpretada por interlocutores como resultado de uma aproximação entre Bolsonaro e Arábia Saudita, que culminou com a chamada telefônica, na segunda (5), do monarca Mohammad bin Salman ao líder brasileiro. Na conversa entre Bolsonaro e Salman, segundo relatos feitos à reportagem, o príncipe renovou as intenções sauditas de realizar investimentos no Brasil e finalizou pedindo o suporte para seu candidato à OMC. "Hoje conversei com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman Al Saud, para dar seguimento às iniciativas acordadas em minha visita a Riade, em outubro de 2019. Estamos aprofundando nossa cooperação em defesa, comércio, investimentos e outros temas", escreveu Bolsonaro em suas redes sociais. Durante a viagem do presidente no final do ano passado, um fundo soberano do reino árabe prometeu investimentos da ordem de US$ 10 bilhões (cerca de R$ 56 bilhões) no Brasil, em projetos que incluem infraestrutura e concessões. Da parte brasileira, a chamada telefônica de segunda foi uma oportunidade para Bolsonaro reiterar a Salman que o Brasil tem interesse em receber esses investimentos. Desde a passagem do presidente brasileiro por Riade, Brasil e Arábia Saudita têm se apoiado em alguns temas em fóruns multilaterais, disseram interlocutores. No G20, por exemplo, o governo brasileiro respondeu positivamente a uma consulta saudita -que preside o órgão neste ano- sobre a disposição de Bolsonaro de comparecer a uma cúpula presencial prevista para o final de novembro. No entanto, após outros chefes de governo do G20 indicarem que não participariam de uma reunião presencial devido à pandemia do coronavírus, os sauditas optaram por organizar um encontro virtual. Além de Al-Tuwaijri, Okonjo-Iweala e Myung-hee, estão na atual fase da seleção para o comando da OMC a queniana Amina Mohamed e o britânico Liam Fox. A expectativa é que o anúncio dos finalistas ocorra nesta quinta (8). Também na segunda, Bolsonaro falou por telefone com Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul, que pediu apoio para a candidata de seu país. A eleição ocorre seguindo regras que priorizam o consenso, de forma que cada país é chamado a indicar suas preferências em listas que vão se afunilando até que se chegue aos dois finalistas, que devem ser anunciados nos próximos dias. A etapa inicial da eleição tinha oito postulantes, mas três nomes já tinham sido eliminados. Como a queniana Amina Mohamed tinha o apoio da China e também era considerada bem posicionada na corrida, existia o receio entre especialistas que uma eventual final entre ela e a candidata nigeriana levasse a um impasse no órgão, com Pequim e Washington se digladiando para eleger seus escolhidos.