Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.044,10
    -183,76 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Após nova ofensiva de reguladores chineses, bitcoin cai e fica abaixo dos US$ 40 mil

·2 minuto de leitura
Após nova ofensiva de reguladores chineses, bitcoin cai e fica abaixo dos US$ 40 mil
Após nova ofensiva de reguladores chineses, bitcoin cai e fica abaixo dos US$ 40 mil

O bitcoin voltou a cair nesta sexta-feira (21) após as autoridades chinesas reforçarem a repressão de mineração e comércio das criptomoedas. Até às 14h50 desta tarde, a moeda digital mais negociada do mundo era cotada a US$ 37,114 — queda de 7,85% nas últimas 24 horas —, de acordo com a Coindesk.

Segundo o comunicado divulgado pela China, é necessário “reprimir o comportamento de mineração e comércio de bitcoins e prevenir resolutamente a transmissão de riscos individuais ao campo social”.

Além disso, Liu He vice-premiê da Chinia e o Conselho do Estado alertaram para a necessidade de uma regulamentação mais rígida para proteger o sistema financeiro.

Naturalmente, a notícia também provocou a queda de outras criptomoedas: o ether caiu para US$ 2.486,34 (queda de 11,3%), o litecoin teve queda de 12,9% e a criptomoeda meme dogecoin ficou abaixo dos US$ 0,40.

Nem mesmo a valorização acima dos US$ 42 mil reportada na última quinta-feira (20) evitou que o bitcoin registrasse sua pior semana desde 13 de março. Fatores não faltaram.

Agravantes

Na última terça-feira (18), a China alertou para que as instituições financeiras e empresas de pagamentos locais não forneçam quaisquer tipos de serviço (como registro, negociação, compensação e liquidação) envolvendo moedas digitais.

Na ocasião, o Banco Central da China (PBOC) alegou que as criptomoedas não são “moedas reais” e órgãos chineses destacaram que os valores das moedas digitais são facilmente manipulados e que os contratos comerciais não são protegidos pela lei do país.

Como consequência, o preço do bitcoin chegou a despencar em 30%.

Representação de bitcoin sendo destruído pela China
China reforça repressões contra o bitcoin e outras moedas digitais. Foto: Wit Olszewski/Shutterstock

Para piorar, o Departamento de Tesouro dos Estados Unidos disse na última quinta que vai exigir que qualquer transferência de criptomoedas igual ou maior do que US$ 10 mil terá de ser relatada ao IRS, serviço de receita do Governo Federal americano.

“A criptomoeda já representa um problema significativo de detecção, pois facilita atividades ilegais, incluindo a evasão de impostos”, justificou o órgão.

Leia mais:

A péssima semana do bitcoin também é reflexo das declarações feitas por Elon Musk, dono da Tesla e da SpaceX.

Na semana passada, o executivo, que sempre defendeu as criptomoedas, disse que sua empresa automotiva não vai mais aceitar pagamentos em bitcoins e sugeriu vender cerca de 1 bilhão e meio de ativos da empresa na moeda. O motivo? O temor de que o uso do bitcoin possa ser um fator de aumento no consumo de energia e combustíveis fósseis.

Embora o mercado de criptomoedas tenha ultrapassado o valor de US$ 2 trilhões de forma inédita nesse ano, os acontecimentos recentes colocam grandes pontos de interrogação sobre os futuros do bitcoin — considerado o melhor ativo de 2020 — e de outras moedas digitais.

Fonte: CNBC

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!