Mercado abrirá em 8 h 14 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,74 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,52 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,02
    +0,32 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.729,30
    -3,40 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    60.367,86
    +64,62 (+0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.289,14
    -5,44 (-0,42%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.727,53
    +274,25 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.842,63
    +303,90 (+1,03%)
     
  • NASDAQ

    13.793,00
    -15,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Após liberação do novo auxílio emergencial mais baixo, centrais sindicais vão manter pressão por R$ 600

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mesmo depois que a nova rodada do auxílio emergencial de R$ 150 a R$ 375 começar ser paga, na terça-feira (6), as centrais sindicais vão seguir na campanha pelos R$ 600. CUT, Força Sindical, UGT, NCST Nova Central, CTB e CSB escreveram uma carta aos parlamentares pedindo para restabelecer as regras de 2020 até o fim da pandemia. Antonio Neto, presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), defende que o aumento do auxílio é urgente não só para proteger o trabalhador da fome fazendo isolamento em casa, mas também para movimentar a economia e salvar as empresas. “Mais de 300 mil mortes, vacinas a conta-gotas, sem o auxílio emergencial de R$ 600. Infelizmente, o caos se aproxima rapidamente", diz o presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores), Ricardo Patah. Para o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, o auxílio de R$ 150 a R$ 375 pode agravar o problema sanitário. "Como não é suficiente para comprar a comida, a pessoa pode querer usar o dinheiro para comprar água ou outro produto, e revender no farol. Piora o contágio do vírus, porque ela se expõe ainda mais", afirma Torres. Segundo ele, depois de enviar a carta a Brasília, as centrais vão procurar prefeitos e governadores para pedir que eles ajudem a convencer os parlamentares argumentando que o recurso impulsiona as economias locais. "Estamos em guerra. Imprimir dinheiro neste momento não vai matar o Brasil", diz Torres. A nova rodada do auxílio emergencial terá quatro parcelas de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375. O governo estima que o benefício será pago a 45,6 milhões de famílias.