Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,77
    -0,59 (-1,13%)
     
  • OURO

    1.822,00
    -7,90 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    35.943,62
    +9,46 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    700,69
    -34,46 (-4,69%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.435,72
    -138,14 (-0,48%)
     
  • NIKKEI

    28.266,35
    -252,83 (-0,89%)
     
  • NASDAQ

    12.751,75
    -50,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3852
    -0,0074 (-0,12%)
     

Após liberação da Anvisa, vacinas contra a COVID-19 devem chegar em até 4 dias

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Nesta segunda-feira (11), diretamente de Manaus, cidade que vem registrando um número alto de casos de coronavírus, Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, afirmou que os estados brasileiros irão receber as vacinas contra a COVID-19 em três ou quatro dias após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovar o seu uso.

A declaração de Pazuello, no entanto, não garantiu a confirmação da previsão da data: "A vacina vai começar no Dia D, na Hora H, no Brasil", disse o ministro. "No primeiro dia que chegar a vacina, ou que a autorização for feita, a partir do terceiro ou quarto dia já estará nos estados e municípios para começar a vacinação no Brasil. A prioridade está dada, é o Brasil todo. Vamos fazer como exemplo para o mundo", completou.

<em>Eduardo Pazuello em declaração sobre as vacinas em Manaus (Imagem: Captura de tela/Facebook/Ministério da Saúde)</em>
Eduardo Pazuello em declaração sobre as vacinas em Manaus (Imagem: Captura de tela/Facebook/Ministério da Saúde)

Ainda de acordo com o ministro, caso as vacinas sejam aprovadas pela Anvisa dentro do prazo previsto de 10 dias, a vacinação deve iniciar no Brasil no dia 20 de janeiro. Além disso, Pazuello afirmou que cada estado conta com o seu próprio programa de vacinação e que a responsabilidade dos municípios é deixar as salas prontas para o momento da imunização.

O Ministério da Saúde, no último sábado (9), havia comunicado que todas as doses da vacina do combate ao coronavírus seriam distribuídas pelo Sistema Único de Saúde, o SUS, de forma exclusiva e para todos os estados do país simultaneamente. Pazuello chegou a reforçar, inclusive, que a opção pela vacina não será obrigatória. O Brasil fez o pedido de 354 milhões de doses e a previsão é que, ainda em janeiro, sejam aplicadas seis milhões de vacinas do Butantan e duas milhões da FioCruz.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: