Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.743,99
    -1.444,38 (-2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Após Justiça suspender decretos da prefeitura do Rio, Castro diz que é necessário 'tratar a Covid-19 com equilíbrio'

Extra
·2 minuto de leitura

O governador em exercício do Rio, Cláudio Castro, falou sobre a prorrogação das medidas restritivas no estado contra a Covid-19, que foram estendidas até a próxima segunda-feira, dia 26, mas também sobre a decisão da Justiça que suspendeu quatro decretos do prefeito Eduardo Paes. Em entrevista ao programa "Show do Clóvis Monteiro", da Rádio "Tupi", na manhã desta quarta-feira, dia 21, Castro afirmou que é necessário um trabalho em conjunto do Poder Judiciário com o Poder Executivo, seja ele municipal, estadual ou federal, e prezar por medidas que não prejudiquem a população.

“Eu vou continuar batendo na tecla que venho falando o tempo todo: nós precisamos tratar a Covid com equilíbrio. Equilíbrio precisa ser a nossa palavra de ordem. Tanto governantes quanto o Judiciário, quando não baseados na técnica ou com uma visão politiqueira, tomam decisões erradas e quem sofre é a população. Nós precisamos de duas grandes vacinas: essa que colocamos no braço, que é importante, mas também a vacina contra a fome, o desemprego e a miséria que estamos vendo. Tanto aos municípios que fazem uma restrição extremamente dura, e que, às vezes, não tem necessidade, quanto as cidades que não fazem nada deixando a população à mercê de uma doença que está matando muito, esse desequilíbrio é o que nós temos que combater hoje. Nosso inimigo é o vírus", disse o governador.

Na noite de terça-feira, dia 20, a juíza Regina Lúcia Chuquer, da 6ª Vara de Fazenda Pública, suspendeu quatro decretos que contêm medidas restritivas para combater a Covid-19. Até o início da tarde desta quarta-feira, dia 21, a Procuradoria Geral do Município afirmou que ainda não recebeu a liminar. O órgão informou que, uma vez confirmado o teor da decisão, vai recorrer imediatamente da decisão, que suspendeu os decretos 48.604, 48.641, 48.644 e 48.706.

De acordo com a PGM, desta forma, segue em vigor as regras impostas pela prefeitura, como a proibição de permanência em via pública das 23h às 5h da manhã, banho de sol nas praias, funcionamento de bares e restaurantes até 22h e de boates e casas de espetáculo. A ação foi proposta pelo deputado estadual Anderson Moraes (PSL), que chamou nas redes sociais de "ditatura" os decretos editados pelo prefeito Eduardo Paes. Em redes sociais, ele disse:

“Os decretos foram arbitrários, abusivos e inconstitucionais, como reconheceu a própria Justiça. Estava sendo uma ditadura do prefeito Eduardo Paes, já que não há comprovação científica de que medidas tão extremas evitam a propagação do coronavírus”. Porém, especialistas são unânimes em dizer que, sem uma campanha de vacinação avançada, o isolamento social é a medida mais eficaz para conter o avanço do coronavírus.