Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    36.564,81
    -3.345,72 (-8,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Após filiar Bolsonaro, PL espera chegar a 70 deputados na Câmara

·3 min de leitura

Com a filiação do presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, a cúpula do PL calcula terminar a atual legislatura com cerca de 70 deputados federais, número que o tornaria o maior partido na Câmara. A bancada atual da legenda conta com 43 parlamentares. A expectativa é que até 30 nomes ingressem na sigla durante a próxima janela partidária, em março, ou quando fora oficializada o União Brasil, fusão do DEM com PSL, partido que abriga boa parte dos bolsonaristas.

Nas negociações com o PL, Bolsonaro apresentou ao cacique da sigla, Valdemar Costa Neto, uma lista de aproximadamente 30 políticos que ele gostaria que fossem acolhidos no partido. Deverão ficar de fora apenas os aliados afetados por questões regionais, ou seja, que teriam de dificuldade de estar no palanque do PL.

Líder do partido Câmara, o deputado Wellington Roberto disse que antes mesmo da filiação de Bolsonaro já havia seis parlamentares de outras siglas apalavrados, mas o ingresso do presidente potencializa a adesão, principalmente com deputados que foram eleitos em 2018 pelo PSL, então partido de Bolsonaro.

— Do PSL, esperamos de 20 a 25 deputados, além desses seis que já estavam por vir. Podemos chegar a 75 parlamentares — disse o líder, numa estimativa otimista.

Ele acredita que o PL não terá baixas significativas, embora parlamentares da legenda em alguns estados já tenham sinalizado que deixarão o partido após o ingresso de Bolsonaro. Entres eles está o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), crítico do atual governo, e parlamentares do Nordeste.

— Pode ser que um ou dois pontualmente saiam, mas eu ainda vou trabalhar no sentido de nenhum sair — disse.

Parte dos deputados do PSL que já preparam a mudança para o PL estiveram no evento de filiação de Bolsonaro. A fila é puxada pelo filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e tem ainda Vitor Hugo (GO), Nelson Barbudo (MT), Filipe Barros (PR), Coronel Tadeu (SP) e o ex-ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antonio (MG), que deverá concorrer ao senado

— A minha expectativa é estar no PL junto com o presidente. No PSL, sabidamente cerca de 30 deputados federais estão com o presidente e estão com as portas abertas para ir para o PL, o que me foi confirmado pelo Valdemar Costa Neto. Só não vai quem eventualmente perceber que terá dificuldade de se reeleger , aí é uma opção pessoal — disse o coronel Tadeu.

No Rio de Janeiro, o presidente do PL, deputado Altineu Côrtes, diz que o partido já está preparado para receber deputados federais bolsonaristas, como Hélio Lopes (PSL-RJ), o mais votado na eleição de 2018, além de Carlos Jordy (PSL-RJ) e Luiz Lima (PSL-RJ).

Deputados estaduais também deverão migrar, entre eles Anderson Moraes e Charlles Batista. Em São Paulo, os nomes são Frederico D’Ávila, Major Meca e Gil Diniz. E em Minas, Bruno Engler.

Também são esperadas as filiações dos ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), que Bolsonaro quer como candidato ao governo de São Paulo, e Onyx Lorenzoni (Trabalho), pré-candidato ao governo no Rio Grande do Sul. Além de Gilson Machado (Turismo) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), os dois sonham em disputar o Senado por Pernambuco e Rio Grande do Norte, respectivamente.

A filiação do ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles também é dada como certa para concorrer a uma vaga no Senado em São Paulo. Nos bastidores, pessoas próximas ao presidente também contam com a filiação do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para concorrer a uma vaga na Câmara de Deputados pelo Rio de Janeiro. Também devem se filiar ao PL os assessores do presidência Max Guilherme, que tentará uma vaga para a Câmara no Rio, e Mosart Aragão, que deverá concorrer por São Paulo

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos