Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.596,34
    +816,73 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,80
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Após fabricante da Covaxin negar documentos, CPI da Covid quer revogar direito a silêncio de dono da Precisa

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - Após a Bharat Biotech negar a autenticidade de documentos apresentados pela Precisa Medicamentos ao Ministério da Saúde, a CPI da Covid quer pedir que o Supremo Tribunal Federal (STF) reconsidere o habeas corpus cedido a Francisco Maximiano, dono da empresa, em que ele tem o direito de ficar em silêncio durante a sua oitiva.

Maximiano será ouvido na CPI no início de agosto, após o fim do recesso. Em fevereiro, a Precisa vendeu 20 milhões de doses da Covaxin, da Bharat Biotech, ao Ministério da Saúde por R$ 1,6 bilhões.

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), planeja um pedido ao STF para reconsiderar o habeas corpus cedido a Maximiano.

— Depois de falsificar documento, ainda vão dar para ele um habeas corpus? Espero que ele possa falar e explicar essa falsificação de documentos. A denúncia não é feita pela CPI, é feita pela empresa — disse ao GLOBO.

O laboratório diz não reconhecer a autenticidade de dois documentos enviados pela Precisa ao Ministério da Saúde com uma suposta assinatura da Bharat Biotech. Procurada, a Precisa diz que "jamais praticou qualquer ilegalidade e reitera seu compromisso com a integridade nos processos de venda, aprovação e importação da vacina Covaxin".

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), também se pronunciou sobre o assunto em rede social. "Diante de mais de 20 irregularidades comprovadas pela CPI, o governo não rompeu o contrato intermediado por um caloteiro contumaz. A Bharat então desfez o negócio superfaturado. A CPI seguirá investigando e punirá os responsáveis pela propina nas vacinas."

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apontou que o contrato foi apenas suspenso e não rompido pelo governo federal.

"Comprovamos, através da CPI, inúmeras irregularidades e mesmo assim o governo não rompeu o contrato intermediado pela Precisa. Até agora, a Bharat então desfez o negócio superfaturado. As investigações continuam! Os propineiros não sairão impunes!", escreveu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos