Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,04
    -0,09 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.867,80
    +1,90 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    29.844,52
    +311,98 (+1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    586,46
    -93,44 (-13,74%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.640,21
    -116,65 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    13.386,25
    -9,25 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0042 (+0,06%)
     

Após encontro com Bolsonaro, CEO da Energisa diz que investirá R$ 7,5 bi

Matheus Schuch

Companhia está presente em 11 estados brasileiros e deve priorizar recursos para a distribuição de energia no Acre e em Rondônia Em audiência com o presidente Jair Bolsonaro, o presidente da Energisa, Ricardo Perez Botelho, anunciou hoje que o grupo pretende investir R$ 7,5 bilhões no país até 2022. Uma das prioridades será destinar R$ 1,5 bilhão para qualificar a distribuição de energia no Acre e em Rondônia, estados onde a Energisa adquiriu distribuidoras recentemente. Botelho afirmou que 20% da população desses dois estados não está ligada ao Sistema Interligado Nacional. “São lugares atendidos por sistemas isolados, a diesel. Nosso objetivo, até 2022, é poder conectar todos esses clientes por linhas que nós vamos construir”, explicou. O presidente da companhia assegurou que os investimentos não implicarão em custo extra de tarifa para os clientes. A Energisa está presente em 11 estados, atende 10% da população e 24% da área territorial do país. No último balanço, o grupo informou queda anual de 85,8% no lucro líquido atribuído aos acionistas controladores, que foi de R$ 34,5 milhões no período. O resultado foi afetado justamente pela aquisição das distribuidoras Energisa Rondônia e Energisa Acre e por efeitos extraordinários. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque (esq.), e Ricardo Perez Botelho, da Energisa, ao lado de Bolsonaro e acompanhado de assessores Carolina Antunes/PR