Mercado abrirá em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,80
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.724,40
    -9,20 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    50.961,94
    +2.312,30 (+4,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.020,04
    +31,95 (+3,23%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.692,79
    +79,04 (+1,20%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.169,75
    +114,50 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Após decisão do STJ, YouTube remove vídeo do deputado Daniel Silveira

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

Cumprindo um pedido do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), o YouTube removeu, nesta quarta-feira (17), o polêmico vídeo no qual o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) realiza diversos ataques ao órgão em questão, ameaçando colocar os ministros em “seus devidos lugares”. A remoção foi feita na mesma data em que o STJ confirmou a prisão preventiva e inafiançável do parlamentar, que é ex-policial militar.

Silveira postou na plataforma de vídeos uma série de ataques aos membros do STJ, sobretudo o ministro Edson Fachin, que recentemente teceu críticas ao ex-comandante do Exército Brasileiro, Eduardo Villas Bôas. O clipe, que possuía pouco mais de dois minutos, encontra-se fora do ar e acompanha a mensagem de “este vídeo foi removido por violar a política do YouTube relativa a assédio e bullying”.

Procurado pelo Tilt, o YouTube descartou a possibilidade de comentar sobre o caso em si, mas lembrou que o serviço “é uma plataforma de vídeo aberta”, sendo que “qualquer pessoa pode compartilhar conteúdo, que está sujeito a revisão de acordo com as nossas diretrizes da comunidade”. Porém, “quando não há violação à política de uso do produto, a decisão final sobre a necessidade de remoção do conteúdo cabe ao Poder Judiciário”.

A remoção segue uma determinação do ministro Alexandre de Moraes, que também foi atacado por Silveira no vídeo em questão e que solicitou a remoção do conteúdo — caso contrariasse a ordem, o site poderia arcar com uma multa diária de R$ 100 mil.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: