Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,01
    -3,39 (-3,02%)
     
  • OURO

    1.814,70
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    29.029,39
    -1.136,77 (-3,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,61
    -22,07 (-3,29%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.879,75
    -680,50 (-5,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2157
    +0,0053 (+0,10%)
     

Após criptomoeda Luna colapsar, Bitcoin tem perda de US$ 200 bi em 24 h

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Segundo estimativas do site CoinMarketCap, o Bitcoin teve uma perda equivalente a cerca de 200 bilhões de dólares em Bitcoins foram vendidas em 24 horas, ao longo da quarta-feira (11). Esta criptomoeda não foi a única a despencar, o Ethereum, por exemplo, também teve perda expressiva.

Na quarta-feira (11), a cotação do Bitcoin caiu 10%, chegando ao valor mais baixo desde dezembro de 2020, de acordo com a Bloomberg. O Ethereum, por sua vez, despencou 16%.

As quedas seguem o colapso da criptomoeda Luna que na quarta-feira chegou à mínima de despencar 94%. A situação ficou ainda mais grave hoje (12), quando a moeda opera com mais de 99% de queda e está cotada a US$ 0,016.

Ao longo da madrugada já era possível perceber que a grande perda de ontem continuaria a ser sentida hoje, uma vez que ações relacionadas a criptomoedas caíram nos mercados asiáticos.

Nesta quinta-feira (12), às 12h06 do horário de Brasília, o Bitcoin caía 6,62% e o Ethereum 13,92%. A perda semanal destas moedas foi de 22,65% e 28,70%, respectivamente.

Outro fator que tem influenciado a queda das criptomoedas é o fato de os Bancos Centrais ao redor do mundo estarem agindo de forma mais agressiva para segurar a inflação, como foi o caso do aumento das taxas de juros no Brasil e nos Estados Unidos. Neste cenário, investidores tendem a fugir dos ativos de risco.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos