Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.283,22
    -229,66 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Após confirmação do Rio ter queima de fogos sem shows no réveillon, público questiona plano para evitar aglomerações

·2 min de leitura

RIO — A confirmação do governador do Rio, Claudio Castro (PL), para ser realizada, no réveillon, queima de fogos em Copacabana, na Zona Sul da cidade, e em outros pontos da capital rapidamente repercutiu nas redes sociais. Internautas publicaram mensagens comentando a decisão, que vem após o cancelamento da festa pelo prefeito Eduardo Paes, como anunciado no último sábado (4).

O martelo foi batido depois de divergências entre os comitês científicos do município e do estado do Rio. Enquanto o primeiro diz que a festa com a presença de público poderia ser realizada, o segundo afirma ser necessário evitar as aglomerações durante a celebração. Paes optou por seguir a orientação mais restritiva. Ainda assim, o prefeito voltou a conversar com Castro pedindo que o caso fosse reavaliado para ocorrer ao menos a tradicional queima de fogos. A permissão gerou questionamentos sobre se estimulará aglomeração e o atual cenário com unidades de saúde lotadas devido ao surto de gripe.

Um internauta questionou:

"Sem sentido queima de fogos quando se quer evitar aglomeração, mas fazer o que, né?"

Outro destacou a decisão em autorizar apenas parte da festa para celebrar o ano novo:

"Sr prefeito não seja hipócrita, não ter show na praia mas queima de fogos pode...

Se tem queima de fogos Sr acha que o povo não vai aglomerar, vão levar até caixa de som"

A revisão dos planos para as comemorações ganhou força com a descoberta da variante Ômicron da Covid-19, com casos já confirmados no Brasil. A nova cepa tem feito, inclusive, países fecharem as fronteiras e endurecerem as regras para avançar com a vacinação contra o novo coronavírus. Em entrevista nesta terça-feira, o governador Claudio Castro disse que para evitar o deslocamento do público para os pontos de queima de fogos. No caso da Praia de Copacabana, o mais tradicional na cidade e conhecido mundialmente, não será permitido estacionamento na orla e será definido o plano para os transportes no dia 31.

No momento, a cidade do Rio enfrenta um surto de influenza, o que tem levado uma corrida às unidades de saúde em busca de atendimento, o que tem gerado horas de espera por atendimento. A capital ampliou a campanha de vacinação contra a gripe para toda a população, mas segue, desde a semana passada, com o calendário parado por falta de doses. A lotação de hospitais e clínicas nos últimos dias também foi citada na discussão sobre o réveillon na cidade

O governo do estado afirmou que as festas privadas terão regras a cargo de cada município. Com buscas em alta, inclusive em quiosques da orla, as comemorações particulares também entraram na discussão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos