Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.744,65
    +1.183,81 (+2,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Após colapso em Manaus, municípios do interior vão transferir pacientes para outros estados, diz governo

Leandro Prazeres
·3 minuto de leitura

MANAUS – Municípios do interior do Amazonas vão iniciar na segunda-feira a transferência de pacientes com Covid-19 para outros estados do país. A informação foi dada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM). A preocupação é que, assim como ocorreu em Manaus, falte oxigênio nas unidades de saúde do interior, colocando em risco a vida de pacientes internados. Em alguns municípios, a autonomia de oxigênio hospitalar é de apenas 12 horas. Parte das cidades não tem ligação terrestre com Manaus, o que dificulta ainda mais a distribuição de oxigênio hospitalar e outros insumos. O primeiro município a transferir pacientes será Parintins, na divisa com o estado do Pará.

O Amazonas vive, segundo o governo do estado, a pior crise sanitária de todos os tempos por conta do aumento no número de casos do novo coronavírus e a falta de oxigênio hospitalar para atender aos pacientes. Até agora, a crise afetou mais fortemente a capital, Manaus, que concentra as maiores unidades de saúde do estado e a maior parte dos casos de Covid-19. Há dois dias consecutivos, o número de enterros na capital é superior a 200, superior ao registrado no primeiro pico da doença, entre abril e maio do ano passado.

Veja:Qual o seu lugar na fila da vacina?Neste domingo, por unanimidade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a aplicação da vacina de Oxford, desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford e capitaneada pela Fiocruz, e a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Para enfrentar o problema, o governo federal anunciou a transferência de pelo menos 235 pacientes internados em Manaus para sete estados e o Distrito Federal. A medida previa um alívio na pressão sobre a rede hospitalar da capital, onde hospitais privados e públicos estão praticamente lotados. O problema é que o interior do estado também vive um aumento no número de casos da doença.

A situação é mais dramática em municípios como Manacapuru, Itacoatiara, Tefé, Coari e Parintins. Desses, apenas os dois primeiros têm ligação terrestre com Manaus. Segundo o secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, os primeiros voos com pacientes do interior para outros estados têm decolagem prevista para a manhã de segunda-feira. Sete pacientes internados em estado grave em Parintins serão transferidos para Belém.

O governo, segundo Campêlo, ainda pretende organizar mais voos para evacuar pacientes de outras cidades do interior.

Outro município que inspira preocupação é Itacoatiara. A cidade tem 102 mil habitantes e, segundo o secretário, tem 90 pacientes internados precisando de oxigênio hospitalar. No sábado, a Justiça do Amazonas determinou que o governo estadual garantisse o envio de cilindros de oxigênio para a cidade para evitar a morte de pacientes. Em um ofício, o governo do estado chegou a sugerir que o município abrisse valas coletivas diante da possibilidade de um aumento repentino de mortes na cidade.

De acordo com o secretário, a autonomia do município em oxigênio hospitalar é de aproximadamente 12 horas. O abastecimento feito pelo governo precisa chegar antes do fim desse prazo para não pôr em risco a vida dos pacientes.