Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,14
    -0,20 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.781,30
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.453,39
    +44,37 (+0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,09
    +17,50 (+4,80%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.333,00
    +56,00 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    -0,0134 (-0,21%)
     

Após COD: Mobile, Activision pode levar mais franquias para os celulares

Wagner Wakka
·2 minuto de leitura

O sucesso de Call of Duty: Mobile está estimulando a Activision a investir mais em jogos mobile. Em entrevista ao Gamsutra, o COO da companhia, Daniel Alegre, disse que a empresa tem interesse em levar “todas as franquias para o mobile com o tempo”.

No último relatório fiscal, a gigante informou que Call of Duty: Mobile bateu a marca de 300 milhões de downloads em todo o mundo. Segundo Alegre, a Activision Blizzard também quer expandir seus negócios para jogos em nuvem, mas pretende investir primeiro no que já está dando certo. No caso, é seu braço mobile. De acordo com relatório financeiro da companhia, a versão para celulares de COD está em fase final de testes para lançamento na China, onde deve ganhar mais 50 milhões de jogadores, segundo pré-registro até o momento.

Reinado mobile

A companhia já detém a King, empresa responsável por Candy Crush Saga, um dos títulos mais rentáveis da plataforma mobile. Sozinha, a King soma 249 milhões de usuários ativos por mês, acima dos 111 milhões da Activision e 30 milhões da Blizzard.

Em termos de receita, a King foi responsável por 27,4% do total faturado pela Activision Blizzard no último trimestre. Ela só foi passada pelo braço Activision por conta de Call Of Duty: Mobile e Call of Duty Warzone, que juntos elevaram a receita em 270% no comparativo anual. Em resumo, games mobile dão muito dinheiro para a empresa.

<em>Resultados financeiros Activision Blizzard (Foto: Divulgação/Activision)</em>
Resultados financeiros Activision Blizzard (Foto: Divulgação/Activision)

Expansão

Alegre aponta que a companhia está buscando mais força no mercado mobile em alguns países-chave. O principal deles é a China, onde Call of Duty: Mobile vai entrar em breve. Contudo, há outros em foco.

“Por exemplo, México e Brasil estão no top cinco mercados em termos tanto de número de instalações quanto de receita. Nós vemos uma grande oportunidade de expandir geograficamente para outros mercado pelo mobile com iniciativas de marketing e de acessibilidade nos próximos trimestres”, explica.

Em termos de acessibilidade, Alegre pode ser referir ao fato de que tanto Call of Duty: Mobile, quanto Call of Duty Warzone serem games gratuitos, portanto mais acessíveis aos usuários.

Atualmente, a Activision Blizzard trabalha em uma versão mobile de Crash, chamada Crash Bandicoot : On The Run, com janela de lançamento para o meio de 2021.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: