Mercado fechará em 5 hs
  • BOVESPA

    119.961,60
    +315,20 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    -0,31 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.865,10
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    32.289,05
    -1.213,05 (-3,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    641,61
    -59,01 (-8,42%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.745,74
    +5,35 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.334,00
    +39,75 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4150
    +0,0070 (+0,11%)
     

Após cancelar descanso, Guedes tira duas semanas de férias

BERNARDO CARAM
·3 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO***BRASILIA, DF,  BRASIL,  02-10-2020, 19h00: O ministro da Economia Paulo Guedes durante coletiva de imprensa na porta do Ministério. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO***BRASILIA, DF, BRASIL, 02-10-2020, 19h00: O ministro da Economia Paulo Guedes durante coletiva de imprensa na porta do Ministério. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Depois de cancelar as férias que havia marcado para o fim deste ano, o ministro Paulo Guedes (Economia) decidiu novamente sair para um período de descanso, que terá duração de duas semanas.

A autorização concedida pelo presidente Jair Bolsonaro foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (28). As férias do ministro serão iniciadas imediatamente, com encerramento no dia 8 de janeiro.

No início do mês, o Diário Oficial informou que Guedes sairia de férias a partir de 18 de dezembro. No dia 19, no entanto, a decisão foi revogada.

Além das férias Guedes, o DO informa o período de descanso do ministro da Justiça, André Mendonça, de 23 a 31 de dezembro, e do ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), entre 4 e 11 de janeiro. Nesta segunda, Bolsonaro viajará para o Guarujá, onde passará a virada do ano, com previsão de retorno até o domingo (3).

Após o cancelamento anterior, o Ministério da Economia afirmou não haver motivo específico para a interrupção e informou que o ministro havia decidido seguir trabalhando em Brasília na semana do Natal.

De acordo com auxiliares do ministro, a decisão inicial pelas férias a partir do dia 18 havia sido tomada porque ele acreditava que os trabalhos do Congresso neste ano seriam encerrados.

O recuo teria ocorrido porque os parlamentares seguiram com votações em plenário. Na terça-feira (22), por exemplo, a Câmara aprovou a medida que libera mais recursos para o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), que oferece crédito como forma de socorro a pequenos negócios. No mesmo dia, os deputados aprovaram o texto-base do projeto que faz alterações no mercado cambial brasileiro.

Para justificar o período de descanso, o ministro disse a interlocutores que não tirou nenhum dia de férias desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro em outubro de 2018. O ministro, que tem 71 anos, argumentou que trabalha de domingo a domingo com jornadas que superam 12 horas por dia.

Ao retornar do descanso, Guedes terá de lidar com a paralisia da agenda econômica. Propostas tidas como prioritárias para o governo não avançaram no fim do ano e devem ficar apenas para fevereiro.

O pacotaço fiscal para controlar despesas públicas foi colocado na geladeira. Sem as medidas de ajuste, o governo começa o ano que vem sem espaço significativo no Orçamento para aumentar de forma relevante o tamanho de programas sociais.

O ministro encontrará ainda pendente a votação do próprio Orçamento de 2021, que está previsto somente para o ano que vem. Enquanto o texto não for aprovado, o governo tem autorização para gastar mensalmente 1/12 avos do previsto para o ano.

A reforma administrativa, que revê gastos com servidores, também não andou desde que foi enviada ao Congresso no começo de setembro.

Paralelamente à paralisia da agenda, o governo assiste ao aumento dos casos do coronavírus e aumento do risco de fechamento de atividades por parte de governadores e prefeitos.