Mercado fechará em 7 mins
  • BOVESPA

    108.235,47
    -878,69 (-0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.112,25
    +303,69 (+0,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,53
    +1,82 (+2,37%)
     
  • OURO

    1.635,00
    +1,60 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    19.060,96
    -140,77 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    437,34
    -21,80 (-4,75%)
     
  • S&P500

    3.650,06
    -4,98 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    29.165,38
    -95,43 (-0,33%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.300,00
    -16,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1590
    -0,0204 (-0,39%)
     

Após atingir Pernambuco, bolotas de óleo chegam a praias da Paraíba

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de atingir praias em Pernambuco desde a última quinta-feira (25), pedaços de óleo já chegam ao litoral da Paraíba.

Segundo informações da Comeg (Comissão Estadual de Gerenciamento Costeiro), até o momento, as bolotas de óleo já foram avistadas na praia da Penha, em João Pessoa, e no município de Pitimbu, ponto em que o estado faz divisa com Pernambuco.

Também há relatos de pedaços do material nas praias do Jacarapé, em João Pessoa, e de Tambaba, na cidade de Conde.

Ainda não se sabe a fonte do óleo encontrado, que já foi coletado e enviado para análises no Laboratório de Compostos Orgânicos em Ecossistemas Costeiros e Marinhos da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). Ainda não há uma data prevista para divulgação dos resultados do estudo.

O Ibama tem planejado um sobrevoo litorâneo para avaliar a situação.

Segundo a CPRH (Companhia Pernambucana de Controle da Poluição Ambiental e de Administração de Recursos Hídricos), até o momento 11 municípios de Pernambuco foram atingidos pelas bolotas de óleo. Nesta segunda (29), seis municípios de Pernambuco (Paulista, Tamandaré, São José da Coroa Grande, Goiana, Jaboatão dos Guararapes e Recife) encontraram pedaços de óleo em praias.

O material volta a aparecer na região três anos após o maior desastre ambiental do litoral brasileiro. Mais de mil localidades, em 11 estados, em 2.000 km de extensão, foram atingidas pelo vazamento do navio de bandeira grega NM Bouboulina.

Na ocasião, em 2019, as manchas de óleo também começaram a aparecer no final de agosto e continuaram atingindo especialmente o Nordeste até 2020.

Segundo a PF (Polícia Federal), os danos provocados pelo vazamento chegaram a R$ 525,3 milhões. E o prejuízo deve ser ainda maior considerando que a estimativa é um "valor mínimo com base em metodologias econômicas de custo de reposição de serviços ecossistêmicos e dispêndios públicos", de acordo com relatório da corporação.

Não é a primeira vez que pedaços de óleo ressurgem no litoral nordestino após a tragédia ambiental de 2019. Fragmentos, de tempos em tempos, são encontrados. Em junho de 2020, o óleo foi achado em praias de Pernambuco e Alagoas. Em agosto de 2021, em Fernando de Noronha.