Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.530,48
    +661,71 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,80
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Após app espião Pegasus, Apple tem segurança e transparência do iOS questionadas

·2 minuto de leitura

As revelações de que o aplicativo espião Pegasus foi usado para violar a privacidade de jornalistas e figuras importantes ao redor do mundo teve implicações indiretas para a Apple. Análises mostram que o software se infiltra no iOS por meio do mensageiro nativo do sistema, apesar das promessas da empresa de que ele é seguro e proteger a privacidade de seus usuários.

A situação resultou em uma onda de críticas por parte da comunidade dos pesquisadores de segurança, que afirmam que as restrições impostas pela Maçã dificultam a realização de investigações forenses em aparelhos afetados. Ao permitir um maior acesso externo ao sistema operacional, ela facilitaria a descoberta de vulnerabilidades e ampliaria a detecção de ataques, argumentam os críticos.

“Acho que ver as infecções de zero clique no Android e iOS pela NSO mostra que invasores motivados e com recursos ainda podem ter sucesso, apesar da quantidade de controle que a Apple aplica a seus produtos e ecossistema”, afirmou o pesquisador independente Cedric Owens à WIRED.

Imagem: Divulgação/Apple
Imagem: Divulgação/Apple

Para Matthew Green, criptógrafo da Universidade John Hopkins, a companhia está tentando aprimorar a segurança, mas não tanto quanto sua reputação pode sugerir. Pesquisadores como Will Strafach, que se dedica a analisar a proteção do iOS, argumentam que há meios de permitir a observação e a criação de imagens de dispositivos com o sistema de forma segura, evitando que criminosos se aprovem de uma abertura ou transparência maiores.

Mais abertura traz riscos

Segundo Juan Andres Guerrero-Saade, da SentinelOne, o fato de a Apple estar sendo tão criticada é consequência justamente de ela ter se mostrado bastante preocupada com a privacidade e segurança de seus usuários. “O Android é livre para todos. Não penso que ninguém espera que a segurança do Android vai melhorar ao ponto em que tudo que teremos nos procurar são ataques com brechas de dia zero”, declarou.

Apesar da pressão da comunidade de segurança, tornar o iOS mais aberto também pode trazer implicações negativas à proteção de usuários. Exemplo disso é o macOS, cujas características mais acessíveis fizeram dele um alvo para uma quantidade maior de malwares — algo que a própria Apple chegou a destacar nos tribunais como um dos motivos para manter as proteções sobre seu sistema mobile.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos