Mercado abrirá em 9 h 41 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -915,94 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,94 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,71
    +0,10 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.844,60
    -6,30 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    32.195,95
    -189,98 (-0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,49
    +1,16 (+0,18%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.351,98
    -39,28 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    28.622,37
    +76,17 (+0,27%)
     
  • NASDAQ

    13.543,75
    +58,25 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5108
    0,0000 (0,00%)
     

Após apagão, irmão de Alcolumbre segue na disputa à prefeitura de Macapá, com 25%

Julia Lindner
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - A três dias do primeiro turno da eleição municipal em Macapá, Josiel Alcolumbre (DEM), irmão do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), segue na liderança da disputa, com 25% das intenções de votos válidos. Pesquisa Ibope divulgada na noite desta quinta-feira (3) indica um provável segundo turno, com empate técnico entre três candidatos, Dr. Furlan (Cidadania), Patrícia Ferraz (Podemos) e João Capiberibe (PSB), todos com 12%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais.

O pleito na capital de Macapá foi adiado devido ao apagão energético que atingiu 13 cidades do Estado durante mais de 20 dias no mês passado. Antes da mudança na data, Josiel, que é aliado da gestão atual do Estado, foi diretamente impactado pela crise e caiu nove pontos percentuais nas pesquisas, de 31% para 22%. Agora, ele oscilou três pontos para cima. Seus adversários, Dr Furlan e Patrícia Ferraz, que haviam crescido na disputa, oscilaram de 15% para 12%, enquanto Capiberibe oscilou de 11% para 12%.

Em decisão favorável ao adiamento da eleição na capital amapaense, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, justificou que havia riscos para a realização do pleito na data prevista "em razão da instabilidade do fornecimento da energia, do aumento expressivo da criminalidade e de sinais de convulsão social”. Barroso citou também que o efeitivo da Polícia Militar local não seria suficiente para garantir a segurança. O segundo turno, se houver, está previsto para o dia 20 de dezembro.