Mercado fechará em 50 mins
  • BOVESPA

    119.381,86
    -182,58 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.909,37
    +509,57 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,77
    -0,86 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.814,30
    +30,00 (+1,68%)
     
  • BTC-USD

    55.740,27
    -1.548,91 (-2,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.451,43
    -19,99 (-1,36%)
     
  • S&P500

    4.174,75
    +7,16 (+0,17%)
     
  • DOW JONES

    34.369,08
    +138,74 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.486,50
    -4,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3642
    -0,0627 (-0,98%)
     

Após 2 meses de alta do Ibovespa, investidor mira vacinas, balanços e inflação

Aluisio Alves
·4 minuto de leitura
Sede B3

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Um movimento de embolso de lucros selou um ciclo de recuperação de dois meses do principal índice de ações brasileiro nesta sexta-feira, com o mercado agora conferindo a performance de empresas e governos para superar os efeitos da pandemia.

O Ibovespa nesta sessão caiu 0,98%, a 118.893,84 pontos. Na semana, caiu 1,36%, mas ainda garantiu alta de 1,94% no mês. O giro financeiro deste pregão somou 41,7 bilhões de reais.

Com a alta de quase 10 mil pontos do Ibovespa desde o início de março, diante da superação de receios de curto prazo sobre o Orçamento federal e governos regionais voltando a flexibilizar medidas de isolamento enquanto a vacinação ganha tração, os investidores passam a temer outros fantasmas.

De um lado estão os novos focos de aceleração da Covid-19, como na Índia, onde o crescimento cavalar dos números de mortes e infecções já contaminou os mercados de commodities.

Nos últimos dias, ações de gigantes de commodities, que vinham sendo destaques positivos do Ibovespa desde março, como Vale e JBS, começaram a ser alvos de realização de lucros.

Na outra ponta, a recuperação em regiões como os Estados Unidos e a relativa resiliência no Brasil, como destacado em relatório do Bradesco nesta sexta-feira, levanta receios de apertos monetários para conter a inflação. Na semana que vem, o Banco Central deve anunciar novo aumento do juro.

"O mercado tem três grandes testes pela frente: safra de resultados, aceleração da vacinação e inflação", afirmou Roberto Attuch, presidente da Ohmresearch. "Os dois primeiros parecem estar sendo superados. Mas os números de junho e julho serão essenciais para sabermos se a inflação é realmente transitória."

No plano mais micro, o escrutínio vai se concentrar em como cada empresa está conseguindo superar os efeitos da crise iniciada no Brasil há 13 meses. Nesse sentido, a maioria dos balanços do primeiro trimestre revelados nesta semana, incluindo de Vale, Santander Brasil, CSN, Embraer e Fleury, trouxe dados positivos. A temporada ganha tração na próxima semana com números de Bradesco, Itaú Unibanco e GPA, entre outros.

Além disso, investidores seguem atentos à intensa atividade de fusões, com empresas que buscaram capital durante a crise de olho em oportunidades em rivais fragilizados ou para participar de concessões públicas.

Nesta semana, por exemplo, o Grupo Soma acertou a compra da Cia Hering, enquanto a Aegea, investida que recebeu na terça-feira a Itaúsa como sócia, arrematou nesta sexta dois lotes da companhia de saneamento Cedae, em leilão na B3.

DESTAQUES

- LOJAS RENNER subiu 1,08%, a 40,40 reais, após a companhia ter concluído uma oferta primária restrita de 102 milhões de ações, precificada a 39,00 reais cada, num total de 3,978 bilhões de reais. O dinheiro vai, entre outros fins, para também para comprar rivais.

- FLEURY teve oscilação positiva de 0,08%. A companhia de diagnósticos médicos informou na noite da véspera que teve lucro líquido de 118,6 milhões de reais no primeiro trimestre, mais que o dobro do obtido um ano antes. Em nota a clientes, o Credit Suisse elogiou a evolução das receitas, mas pontuou que a pandemia ainda limita maior visibilidade sobre o valor das novas linhas de negócios da empresa. Em teleconferência, executivos da empresa afirmaram que o foco da empresa está em crescimento acelerado via expansões orgânicas e até grandes aquisições.

- UNIDAS teve ganho de 1,7%, também na esteira de balanço de janeiro a março, quando a locadora de veículos e gestão de frotas teve lucro líquido recorde de 231,4 milhões de reais, quase três vezes maior que um ano antes. Em teleconferência, executivos da companhia afirmaram que esperam resultados melhores a partir do segundo semestre, com uma melhora das entregas de veículos pelas montadoras.

- EMBRAER teve alta de 1,99%. A fabricante de aeronaves teve o preço-alvo de seus a ADRs elevado pelo Credit Suisse e pelo UBS após ter divulgado que fechou um pedido firme de venda de 30 jatos E195-E2 para cliente não divulgado com entregas a partir de 2022.

- BANCO MODAL caiu 7,3% em sua estreia no pregão, após ter concluído na quarta-feira sua oferta inicial de ações (IPO) de 1,17 bilhão de reais.

- CSN perdeu 2,1%, puxando a fila das perdas no setor de aço e mineração. VALE recuou 2,6%. No setor de petróleo, PETROBRAS ficou estável.

- JBS perdeu 2,21%, BRF encolheu 2,1%, com grandes exportadoras brasileiras perdendo fôlego diante da queda recente do dólar contra o real.

- BRADESCO subiu 0,34%, reagindo parcialmente às fortes perdas da véspera, com ações do setor financeiro mostrando rotas distintas. ITAÚ UNIBANCO avançou 0,77%, enquanto SANTANDER BRASIL teve baixa de 1,28%. BANCO DO BRASIL teve estabilidade.