Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.958,05
    -304,83 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Após 11 meses no vermelho e estado de calamidade, contas públicas têm resultado positivo em janeiro: R$ 43,2 bilhões

Fernanda Trisotto
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - Após 11 meses no vermelho e com regras fiscais suspensas por causa da pandemia de Covid-19, as contas públicas voltaram a registrar resultado positivo em janeiro. Segundo dados do Tesouro Nacional, o balanço do mês passado ficou positivo em R$ 43,2 bilhões.

Apesar do superávit, o número representa uma queda em relação ao registrado em janeiro do ano passado, quando a diferença entre arrecadação e despesas foi de R$ 44,1 bilhões. O relatório foi divulgado nesta quinta-feira.

No texto do Orçamento para 2021, a União fixou a meta para o resultado primário do governo central para esse ano em déficit de R$ 247,1 bilhões. A principal razão para a projeção de rombo é a estimativas de baixa arrecadação.

Em janeiro, a arrecadação federal de impostos ficou em R$ 180,2 bilhões em janeiro, segundo dados divulgados também nesta quinta pela Receita Federal. O número representa uma queda de 1,5% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, descontada a inflação do período.

No ano passado, o conjunto de medidas adotadas pelo governo para o enfrentamento da pandemia provocou forte impacto nas contas públicas. O rombo registrado foi de R$ 743,1 bilhões, equivalente a 10% do PIB, foi, de longe, o pior resultado já registrado pelo governo.