Mercado abrirá em 4 h 27 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,43
    +0,07 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.837,30
    +7,40 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    36.684,94
    +243,21 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    721,24
    -13,91 (-1,89%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.466,31
    +603,54 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.916,25
    +114,00 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4045
    +0,0092 (+0,14%)
     

Apático e prejudicado pela arbitragem, Vasco é goleado: 4 a 1 Ceará

Bruno Marinho
·3 minuto de leitura

O momento de maior brio do Vasco no primeiro tempo foi quando o goleiro Lucão, com a bola nas mãos, fuzilou insistentemente Leandro Castan com o olhar, sem dizer uma palavra. O capitão havia acabado de falhar bisonhamente na defesa e por pouco o erro não terminou em gol do Ceará. Alguns minutos depois, um lance sintetizou o ânimo do Cruz-maltino na etapa inicial: a mão na bola que poderia perfeitamente ser interpretada como pênalti a favor do time da Colina foi revisada pelo VAR e ignorada pela arbitragem diante da passividade absoluta dos vascaínos em campo.

Além de apático em boa parte do tempo na derrota para o Ceará por 4 a 1, nesta segunda-feira, em São Januário, — a maior vitória do Vozão na história do confronto —, o Vasco foi mentiroso em diferentes aspectos do jogo. Escalou três zagueiros, mas a segurança na defesa foi falsa, tanto que os dois gols marcados pelo time de Fortaleza nos primeiros 45 minutos, por Pedro Naressi e Cléber, foram pouco perto das chances criadas. Contou com dois alas que mal foram à linha de fundo antes do intervalo e, depois, com três atacantes que não sabem jogar no esquema.

O cenário era tão ruim que até o DJ de São Januário mentia. Os gritos de apoio no alto-falante eram completamente inverossímeis com o desempenho do time em campo. Com público na Colina, o caldeirão estaria prestes a transbordar, no pior sentido da coisa, diante do que se via em campo. Quem conhece a torcida do Vasco quando está ameaçada de rebaixamento, sabe que não é mentira.

A derrota, dentro de casa, contra um rival direto pela permanência na Primeira Divisão, manteve o Vasco em 17º lugar, com 24 pontos, um a menos que o Sport, primeiro time fora do grupo dos últimos quatro colocados na tabela. Aos poucos, o drama vascaíno aumenta. O time já teve dois jogos a menos que a maior parte dos times no Brasileiro. Agora, é apenas uma partida.

Até o ímpeto do Vasco para reagir foi mentiroso. No segundo tempo, Lucas Ribamar foi lançado e derrubado dentro da grande área. A penalidade foi cobrada pelo camisa 9: 2 a 1 Ceará.

Passada a impressão inicial, o jogo continuou o mesmo — o Vasco com a posse de bola, mas pouco capaz de ameaçar o Ceará. Até que Gustavo Torres foi desarmado com falta na origem da jogada que terminou com o terceiro gol do Vozão, marcado por Saulo Mineiro.

O VAR checou o lance novamente e não enxergou a irregularidade. Entretanto, não deixou escapar o segundo pênalti na partida, bem marcado a favor do Ceará. Vina cobrou o pênalti e fechou o placar: 4 a 1 em cima do Vasco. Talvez a única verdade em uma noite de mentiras e apatia por parte dos cariocas.

— Um jogo para esquecer. Precisamos tomar vergonha na cara. O Vasco é muito grande, perder de 4 a 1 dentro de casa tem de doer, tem de sangrar. Essa é a palavra. Temos de colocar a cabeça no travesseiro e ver o que está fazendo de errado. O resultado foi pífio. É dormir sofrendo pela derrota e melhorar na quinta-feira. O futebol nos dá essa oportunidade — afirmou Andrey, em referência à partida contra o Defensa y Justicia, pelas oitavas de final da Sul-Americana (o time da Colina joga pelo empate em 0 a 0 para avançar na competição).