Mercado fechado

Aos 60 anos, modelo diz que imagem de "mulheres idosas" mudou

Veralinda diz que adorou se ver em fotos profissionais como modelo. Foto: Divulgação

Quando era adolescente, Veralinda Menezes ouviu de uma cigana que ela morreria jovem. Desde então, ela sentia que não passaria dos 60 anos. Porém, em seu aniversário de 59 para 60 anos, ela ficou esperando até a meia noite extremamente tensa. Até que percebeu que a previsão estava errada. A cigana tinha perdido.

Para comemorar essa virada em sua vida, ela resolveu que realizaria todos seus sonhos e que faria coisas diferentes, que valorizassem sua maturidade. Foi assim que ela decidiu que iria trabalhar para se tornar modelo. Apesar da carreira como roteirista, ela quis diversificar suas possibilidades e fazer algo que sempre quis.

“Ser modelo tem uma grande simbologia. Mexe com a imagem das pessoas e, para idosos, isso é muito importante. É aceitação, autoestima e admiração”, explicou em entrevista ao Yahoo. “Eu sou uma mulher vaidosa. Quando eu era criança, minha mãe me pegou fumando e me perguntou se eu ia querer gastar dinheiro com cigarro, ou comprando esmalte e batom. Eu fiquei com a segunda opção”, brincou a modelo.

Leia também:

Este ano, então, uma amiga dela a indicou para um agente e uma parceria começou a partir daquele momento. “As fotos ficaram ótimas e me deram aquele clique de ‘que legal, gostei’. Um dos books foi feito pelo super fotógrafo e diretor de cinema gaúcho Gilberto Perin”, comemorou.

Modelo diz que avós não são mais como antigamente. Foto: Divulgação

Segundo ela, seu trabalho e de tantas outras modelos com mais de 60 anos dão visibilidade para milhões de idosos que são invisibilizadas na publicidade e mostrados apenas como “bons velhinhos”. De acordo com ela, é preciso que as pessoas mudem o imaginário sobre o que é ser um idoso.

“A imagem das ‘mulheres idosas’ mudou. A mulher de 60 anos de hoje não é a mesma mulher de 60 anos da geração passada. Então, a moda tem que se adaptar e a publicidade também. A publicidade precisa ficar atenta e fazer uma conexão mais imediata usando modelos dessa faixa etária para divulgar os produtos e serviços consumidos por toda a população”, afirmou a modelo. 

“Há um tempo atrás, para as mulheres ditas ‘idosas’, era permitido apenas um tipo de vestuário, um tipo de comportamento. Hoje, academias, salões de beleza, faculdades e tantos outros espaços estão cheios dessas mulheres que não têm mais filhos pequenos para cuidar, que estão cheias de energia e que estão investindo em si mesmas. O mercado precisa estar atento”, explicou.

Modelo realizou ensaio fotográfico. Foto: Divulgação

Além disso, Veralinda se prepara para atuar também como influenciadora digital. Segundo ela, a ideia é trocar ideias experiências e incentivar pessoas a partir dos 40 anos a terem uma vida melhor e chegar bem até outras idades.

Segundo ela, as mulheres maduras também precisam entender que existe mercado para elas no mundo da moda. Por isso, deixa um recado para todas aquelas com mais de 60. “Busque um curso de modelo e dê a arrancada hoje mesmo. Depois, procure uma agência de modelos focada na diversidade de corpos e de estilos. Divirta-se muito e boa sorte”, disse.