Mercado abrirá em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,04
    +0,86 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.746,50
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    64.667,47
    +3.738,07 (+6,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.396,91
    +102,92 (+7,95%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.900,97
    +10,48 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.983,25
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8422
    +0,0110 (+0,16%)
     

Ao LANCE!, Wallace fala sobre importância do clássico contra o Fenerbahçe: 'Peso diferente'

Leonardo Barreto
·3 minuto de leitura


Wallace vive sua primeira temporada no Malatyaspor. Brigando pela parte de baixo da tabela, a equipe terá pela frente um confronto difícil: clássico contra o Fenerbahçe, nesta quinta-feira, às 14h (de Brasília). Em entrevista exclusiva ao LANCE!, o zagueiro falou sobre a importância do duelo.

- É sempre um jogo com um peso diferente. A gente precisa voltar a vencer depois desse momento negativo na competição e uma vitória contra um adversário importante muda todo o ambiente. A gente sabe da nossa capacidade e o que temos que fazer para conquistar os três pontos - começou dizendo.

- O nosso time tem potencial pra brigar na parte de cima, estamos com um jogo a menos e viemos de uma sequência complicada. Nossa posição na tabela não condiz com a qualidade da equipe, então temos que dar uma resposta dentro de campo e rápido. A luta do Fenerbahçe é pelo título, a gente respeita isso, mas vai buscar o resultado - completou.

O brasileiro ainda não viveu por completo a experiência do apaixonado futebol turco. Sem público nos estádios, Wallace não conseguiu ver os torcedores gritarem seu nome.

- Eu ainda não tive a experiência de jogar na presença do nosso torcedor. O povo turco é muito apaixonado por futebol e a gente sente isso nas ruas, pelas redes sociais. O estádio vazio tira aquele clima, mas ainda assim temos que nos impor jogando em casa, temos que tirar proveito disso.


A boa fase de Wallace, porém, não vem sendo refletida em resultados. A última vitória do Malatyaspor foi em janeiro. Desde então, são 11 jogos sem vencer no Campeonato Turco, com 20 gols sofridos.

- Nós acabamos empatando alguns jogos que deveríamos ter ganho e isso cobra um preço na classificação. Não acho que seja um problema da defesa, ganhamos como time e perdemos como time. Às vezes fazemos o gol a partir de um boa jogada defensiva, como também podemos sofrer por um descuido do outro lado de campo. O futebol de hoje é muito dinâmico, todo mundo tem sua função em todas as situações de jogo. Particularmente acho que os zagueiro, e eu me incluo, temos feito partidas bem corretas.

Wallace - Matalyaspor
Wallace - Matalyaspor

Wallace a serviço do Malatyaspor (Foto: Divulgação)

CONFIRA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA

Diferenças do futebol turco para o italiano
Wallace
: A escola italiana é muito forte nesse sentido. É como se fosse uma NBA pros zagueiros. Aprendi muito enquanto estive lá e será um prazer poder retornar. Aqui na Turquia o jogo é diferente, um pouco menos tático, talvez, mas me sinto bem adaptado. O projeto do clube é, em alguns, estar presente nas competições europeias.

Sondagens de outros clubes
Wallace
: Procuro não pensar nisso, deixo na mão do meu empresário e ele me avisa quando surge uma possibilidade bacana. Estou feliz no Malatya, consegui me estabelecer na equipe titular e tenho feito boas partidas. Procuro focar nesse trabalho do dia a dia pra continuar evoluindo.

Futebol brasileiro
Wallace
: Nem sempre é possível ver os jogos por causa do fuso, mas eu acompanho da forma que eu posso. Tenho um carinho especial pelo Cruzeiro, por tudo que vivi lá e torço para que o clube possa se reestabelecer e voltar pra serie A esse ano. Sobre jogar no Brasil, é, sem dúvida, uma possibilidade que passa pela minha cabeça, mas eu quero que aconteça, se tiver que acontecer, com naturalidade. Deus sabe o que faz.