Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.429,96
    +647,26 (+1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Ao lado de Damares, Bolsonaro endossa projeto que cria Dia do Nascituro

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - Num vídeo ao lado da ministra Damares Alves, o presidente Jair Bolsonaro endossou o envio de um projeto do governo ao Congresso Nacional que cria o Dia Nacional do Nascituro e de Conscientização sobre os Riscos do Aborto. A proposta é um aceno ao grupo ideológico mais conservador que apoia o presidente. Em um vídeo de pouco mais de um minuto, Bolsonaro assinou o projeto e elogiou Damares.

A data escolhida para se comemorar esse dia é o 8 de outubro. Na verdade, a Igreja Católica consagrou o 8 de outubro como o Dia do Nascituro. Agora, o governo quer incluir também o tema do aborto na celebração desse dia. Nascituro é uma expressão recorrentemente usada por religiosos na defesa de fetos e em campanhas contra descriminalização do aborto. O termo é usado também em ações e projetos para proibir os casos legais de interrupção de gravidez tais como: o estupro da mulher; situações que geram risco para a gestante; e os casos de detecção de anencefalia do feto.

O grupo católico que atua mais fortemente nessas causas é o Movimento Pró-vida. A bancada aliada a esse grupo na Câmara apoia a tramitação do Estatuto do Nascituro, que prevê o pagamento de uma bolsa para mulheres que engravidam após um estupro e defendem como conceito de casal apenas a união entre um homem e uma mulher. Ignoram as relações e uniões entre pessoas do mesmo sexo.

Essa proposta, apresentada em 2007, chegou a ser aprovada na Comissão de Seguridade Social da Câmara, mas estacionou. Foi arquivada e desarquivada em outra legislatura e, desde novembro de 2019, aguarda parecer de relatoria na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher para continuar a tramitar. A proposta apresentada agora pelo governo traz o tema, que estava esquecido, de volta ao debate.

A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), vice-líder de seu partido na Câmara, criticou a proposta do governo. Para a parlamentar, sempre que o governo se vê em apuros, apela para medidas "escandalosas" para desviar a atenção.

— Sempre que Bolsonaro sente a corda no pescoço, parte para a criação de medidas escandalosas para desviar a atenção. É exatamente o caso agora. O problema é que não é apenas uma cortina de fumaça, mas um objetivo do governo, de instituir uma teocracia da discriminação no Brasil. Não vimos nenhuma ação da ministra Damares Alves para lidar com o problema gravíssimo de mortes de mulheres durante o aborto no Brasil — afirmou Melchionna.

Damares, por outro lado, defendeu a iniciativa.

- Esse projeto é um avanço na proteção da família e da criança. Nosso governo já cuida tão bem de todas crianças. Faltava trabalhar mais a pauta do nascituro, da criança que está para nascer, no ventre materno - disse a ministra.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos