Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.101,61
    -1.815,48 (-2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Ao fazer valer cláusula, TNT Sports evita pagar multa milionária e deixa clubes livres para usar a Lei do Mandante

·1 minuto de leitura


A WarnerMedia afirmou em nota oficial que deixa de transmitir jogos do Brasileirão a partir do próximo ano, fazendo valer uma cláusula que permite o rompimento do contrato que valia até 2024, sem pagamento de multa. Com isso, os clubes Palmeiras, Santos, Athletico Paranaense, Juventude, Bahia, Ceará e Fortaleza ficam sem contratos para TV fechada.

A empresa afirmou que o negócio não era viável financeiramente por causa da pulverização dos direitos de transmissões. Segundo o 'Uol', a decisão já havia sido tomada em 2020, mas só foi concretizada para a próxima temporada para evitar o pagamento de uma multa milionária para cada um dos clubes citados acima.

Com o rompimento, os clubes ficam livres para utilizar a Lei do Mandante, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro. Antes da nova regra, o direito de arena previa a distribuição de renda de comercialização entre mandantes e visitantes, e os contratantes deveriam entrar em acordo com as duas equipes antes do evento.

Agora, os clubes que detêm o mando de campo podem negociar com outras empresas, independentemente de acordos feitos pela equipe visitante. Anteriormente, isso não era possível. Esse novo modelo será o adotado em contratos assinados pelos clubes que ficam agora liberados após o rompimento promovido pela Turner.

A Lei do Mandante não altera contratos assinados antes da publicação, graças a 'Emenda Globo', que segurava o direito de contratos vigentes permanecerem válidos. A Globo possui os direitos do Brasileirão até 2024, assim como era o contrato da Turner com alguns clubes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos