Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.411,17
    -373,56 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Ao entregar relatório da CPI da Covid ao presidente do Senado, Aziz manda recado a Aras: 600 mil vidas não podem ser engavetadas

·1 min de leitura

BRASÍLIA - Senadores da CPI da Covid entregaram nesta quarta-feira uma cópia do relatório final do colegiado ao presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), durante sessão do plenário da Casa. Pacheco não se manifestou sobre o conteúdo do parecer, que, além de pedidos de indiciamento, possui sugestões de projetos de lei para tramitar no Congresso.

Antes da entrega do relatório, o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Omar Aziz (PSD-AM), cobrou o procurador-geral da República, Augusto Aras, a se manifestar sobre as acusações inseridas no relatório, que envolvem o presidente da República, Jair Bolsonaro, e ministros de Estado.

— Esperamos, como eu disse ao Dr. Aras, que ele tenha compromisso com a nação: 600 mil vidas não podem ser engavetadas. Qualquer que seja o argumento, nós estaremos discutindo publicamente. Os documentos sigilosos são comprometedores e serão disponibilizados para que possam continuar a investigação. Não queremos vingança, volto a repetir, queremos justiça.

Mais cedo, os parlamentares entregaram o material pessoalmente à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Nos próximos dias, eles devem fazer o mesmo em outras instâncias, como a Procuradoria-Geral do Distrito Federal, de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Além disso, senadores têm intenção de compartilhar o material com cortes internacionais, entre elas o Tribunal Penal Internacional (TPI). Essa etapa deve demorar mais, pois depende de uma tradução juramentada do relatório final, o que o Senado tem até um mês para concluir.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que já pediu audiência com representantes de tribunais e outras instituições fora do país, mas ainda não obteve resposta. Ele quer se reunir, por exemplo, com a alta-comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos