Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.205,77
    -66,31 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Ao contrário do que disse Guedes, pesquisas mostram aumento da fome

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nesta quarta-feira (21), o ministro da Economia, Paulo Guedes, questionou dados relativos a insegurança alimentar no país ao afirmar que é impossível que o Brasil tenha 33 milhões de pessoas passando fome. O discurso também é encampado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que disse, em agosto, que não existe "fome para valer" no Brasil.

Ao contrário do que disseram o ministro e o presidente, porém, dados de diferentes fontes mostram que houve, de fato, um aumento da fome no Brasil.

A falta de comida se tornou um assunto corriqueiro para os brasileiros, e algumas pesquisas recentes ajudam a quantificar o problema.

33 MILHÕES PASSAM FOME NO BRASIL, APONTA REDE PENSSAN

Em junho, o país soube que 33 milhões de pessoas passam fome no Brasil, segundo apontou a segunda edição do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, da Rede Penssan —um patamar semelhante ao que havia sido registrado há três décadas.

"Isso são fatos econômicos, não adianta. A tática política é de barulho: 33 milhões de pessoas passando fome. É mentira, é falso. Não são esses os números", disse Guedes em evento do setor automotivo em São Paulo.

O ministro defendeu que, na comparação com outras grandes economias, o desempenho brasileiro está melhor. Não disse, no entanto, quais seriam os números corretos, na avaliação dele.

Ao contrário do que se percebe no cotidiano das cidades brasileiras, Bolsonaro também minimizou o problema, dizendo que não há pessoas nas portas de estabelecimentos comerciais pedindo comida.

"Fome para valer, não existe, como da forma que é falado. O que que é extrema pobreza? Você ganhar US$ 1,9 por dia, isso dá R$ 10. O Auxílio Brasil são R$ 20 por dia. Quem por ventura está no mapa da fome pode se cadastrar e vai receber", disse Bolsonaro a um podcast.

"O que a gente pode dizer, se for a qualquer padaria, não tem ninguém pedindo para comprar pão. Não existe. Eu falando isso estou perdendo votos, mas a realidade não pode deixar de dizer", afirmou o presidente.

UM EM CADA TRÊS BRASILEIROS NÃO TEM COMIDA SUFICIENTE, SEGUNDO DATAFOLHA

Além do relatório da Rede Penssan, pesquisa Datafolha feita de forma presencial nos dias 27 e 28 de julho apontou que um em cada três brasileiros afirmava que a quantidade de comida em casa nos últimos meses não foi suficiente para a sua família.

Segundo o levantamento, o percentual de lares com uma quantidade insuficiente de comida subiu de 26% em maio para 33% em julho. Outros 12% dizem que foi mais que suficiente, mesmo percentual nas duas pesquisas. Para 55%, a comida foi o suficiente –queda em relação aos 62% de maio.

61 MILHÕES DE BRASILEIROS CONVIVEM COM INSEGURANÇA ALIMENTAR, SEGUNDO ONU

Um relatório das Nações Unidas de julho também se ocupou do tema e concluiu que, no Brasil, 61,3 milhões (cerca de 3 em cada 10 habitantes) convivem com algum tipo de insegurança alimentar, sendo que 15,4 milhões se encontravam em insegurança, passando fome, no período de 2019 e 2021.

Pelos países com dados comparáveis relacionados pela ONU, o Brasil é o que tem mais pessoas em algum grau de insegurança alimentar (moderada ou grave) nas Américas e o quinto no mundo, no período.

O relatório também aponta um aumento significativo na comparação com o período de 2014 a 2016, quando 37,5 milhões passavam por algum nível de insegurança alimentar e 3,9 milhões enfrentavam o nível grave.

POR QUE AS PESQUISAS NÃO SÃO COMPARÁVEIS

Embora essas pesquisas tratem do mesmo tema, as metodologias são diferentes, o que impede a comparação entre elas.

A pesquisa da Rede Pensann é uma amostra de domicílios usando quatro categorias de gravidade da insegurança alimentar: segurança alimentar, insegurança alimentar leve, insegurança alimentar moderada e insegurança alimentar grave.

Já a do Datafolha é uma amostra com a população brasileira adulta (16 anos ou mais). Outro ponto é que, no Datafolha, a resposta se dá pelo que o entrevistado entende por "falta de comida", em uma única pergunta.

A estimativa da ONU, por sua vez, é baseada na Escala de Experiência de Insegurança Alimentar e considera duas categorias: insegurança alimentar moderada ou grave (combinada) e apenas insegurança alimentar grave.

A FOME NAS ELEIÇÕES

Falta de comida, carestia e queda do poder de compra dos brasileiros se tornaram tópicos importantes na eleição deste ano. Enquanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) busca fazer o eleitor puxar pela memória as medidas tomadas durante os governos petistas para aplacar a fome, a campanha de Bolsonaro deve mencionar a pandemia e a Guerra da Ucrânia para justificar a piora de indicadores.

O presidente também tem citado o aumento recente para R$ 600 do Auxílio Brasil —que substituiu o Bolsa Família— como um escudo contra o aumento da fome.

Reportagem da Folha de S.Paulo, no entanto, mostra que a inflação tem corroído o 'efeito-Auxílio', e o aumento, que vale até o fim do ano, ainda não se percebe tão claramente, sobretudo em bolsões de pobreza.

Outra reportagem recente mostrou como o incômodo com o aumento da fome tem mobilizado o governo. Um estudo assinado pelo atual presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Erik Alencar de Figueiredo, contestava pesquisas recentes que apontam o aumento no número de brasileiros em situação de insegurança alimentar ou com fome.

O argumento dele era que o aumento da fome deveria ter resultado em um "choque expressivo" no aumento de internações por doenças decorrentes da fome e da desnutrição, além de um número maior de nascimentos de crianças com baixo peso. A conclusão, no entanto, foi criticada por outros especialistas no tema.

Apesar das medidas do governo tomadas às vésperas da eleição, a alta dos preços continua a afetar a população mais pobre, já que mesmo que gasolina e energia elétrica tenham dado alívio, a inflação do grupo de alimentação e bebidas se aproximou novamente de 15% no acumulado de 12 meses até julho, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

*

ENTENDA O CASO

Piora da fome

O estudo assinado por Figueiredo contesta o aumento do número de brasileiros em situação de insegurança alimentar

Insegurança alimentar

Essa situação ocorre quando a pessoa não tem plano acesso alimentos em quantidade e qualidade adequados

125,2 milhões de brasileiros

Esse é o número de pessoas com algum grau de insegurança alimentar; um aumento de 60% na comparação com 2018

Fome x internações

O presidente do Ipea conclui que as internações decorrentes de má nutrição deveriam ter aumentado nos últimos anos

Falta comida e falta garantia de alimentação

Para especialistas, a premissa é equivocada; o Brasil vive um aumento na fome e na insegurança alimentar, mas não situação de fome crônica

Efeitos de médio e longo prazo

Os efeitos da falta de alimentação adequada não aparecem rapidamente; eles têm efeito mais visível nas crianças até cinco anos, mas debilitam as pessoas no decorrer de meses e anos