Mercado fechará em 5 h 37 min
  • BOVESPA

    109.415,63
    +571,89 (+0,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.909,72
    +352,07 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,97
    -0,32 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.773,00
    +9,20 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    42.748,44
    -1.053,24 (-2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.071,42
    +7,57 (+0,71%)
     
  • S&P500

    4.363,14
    +5,41 (+0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.062,38
    +91,91 (+0,27%)
     
  • FTSE

    6.982,94
    +79,03 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.013,25
    +3,75 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2472
    +0,0025 (+0,04%)
     

Anvisa suspende uso de 12 milhões de doses importadas da CoronaVac

·2 minuto de leitura

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu impedir a distribuição de novos lotes da CoronaVac no Brasil. A interdição, discutida em reunião com o Instituto Butantan na sexta-feira (3) e anunciada no sábado (4), ocorre porque o envase das doses aconteceu em uma fábrica que não tinha sido previamente inspecionada e aprovada na Autorização de Uso Emergencial.

O Butantan, parceiro da farmacêutica chinesa Sinovac na produção, informou a Anvisa que estão nessa situação 25 lotes da CoronaVac, totalizando mais de 12 milhões de doses do imunizante. O instituto criticou o “alarmismo” da Anvisa e afirma em nota que foi uma iniciativa própria informar a agência sobre a situação dos lotes. O alerta foi feito após uma análise de qualidade do produto, segundo o comunicado.

Também foi publicada nas redes sociais do Butantan uma nota em nome da Sinovac, na qual a empresa diz que a linha de produção da cidade de Yonda já havia sido aprovada pela Administração Nacional de Produtos Médicos (NMPA), órgão chinês equivalente à Anvisa, em março de 2021. Desde então, 840 milhões de doses já foram envasadas no local.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A Anvisa aponta em comunicado enviado à imprensa que consultou bancos de dados internacionais as condições de Boas Práticas de Fabricação (BPF) da unidade, mas não conseguiu encontrá-los.

Doses importadas da CoronaVac foram envasadas em unidade não inspecionada pela Anvisa (Foto: Reprodução/Governo de São Paulo)
Doses importadas da CoronaVac foram envasadas em unidade não inspecionada pela Anvisa (Foto: Reprodução/Governo de São Paulo)

O Butantan informa que a Sinovac já encaminhou à Anvisa parte dos documentos necessários para a aprovação de BPF. Até o momento, no entanto, os lotes continuam interditados.

Vale lembrar que, antes de a Anvisa conceder a permissão de uso emergencial da CoronaVac, foram enviados agentes brasileiros para inspecionar a fábrica da Sinovac na China.

Mais lotes importados

As 12 milhões de doses com uso vetado pela Anvisa chegaram a ser encaminhadas ao Ministério da Saúde e distribuídas a estados e municípios, que receberam notificação para impedir o uso do imunizante.

Além dessas doses, o Butantan também comunicou à Anvisa que estão em fase de liberação mais 17 lotes, equivalentes a 9 milhões de doses, que também foram envasados na unidade não aprovada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos