Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    40.863,84
    -2.293,23 (-5,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.990,75
    -33,25 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1784
    -0,0007 (-0,01%)
     

Anvisa suspende autorização para teste da Covaxin no Brasil

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu nesta sexta-feira a autorização dos testes clínicos da vacina Covaxin, que não chegou a ser aplicada ainda em nenhum voluntário no país. A medida foi anunciada após o laboratório indiano Bharat Biotech, que desenvolveu a vacina, ter informado que a empresa brasileira Precisa não o representa mais no Brasil.

A suspensão cautelar foi determinada pela Coordenação de Pesquisa Clínica da Anvisa e comunicada à Precisa e ao Instituto Albert Einstein, que também participaria do estudo.

Mais cedo, ao anunciar o fim da parceria com a Precisa, o laboratório informou não reconhecer a autenticidade de dois documentos enviados pela empresa brasileira ao Ministério da Saúde com uma suposta assinatura da Bharat Biotech. Procurada, a Precisa diz que "jamais praticou qualquer ilegalidade e reitera seu compromisso com a integridade nos processos de venda, aprovação e importação da vacina Covaxin".

No começo da noite desta sexta-feira, após ser comunicada pelo laboratório, a Anvisa disse que havia dois processos na agência relacionadas à Covaxin: um pedido de autorização de uso emergencial e o protocolo para condução de pesquisa clínica no Brasil. A Anvisa não informou ainda nenhuma medida em relação ao pedido de uso emergencial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos