Mercado abrirá em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,15
    +0,70 (+0,93%)
     
  • OURO

    1.739,30
    -12,70 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    41.775,10
    -2.051,75 (-4,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.036,78
    -64,74 (-5,88%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.024,81
    -38,59 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.964,25
    -230,50 (-1,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2855
    -0,0213 (-0,34%)
     

Anvisa recebe pedido de uso emergencial da vacina da Sinopharm

·2 minuto de leitura

Nesta segunda-feira (26), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu pedido de autorização para uso emergencial da vacina contra COVID-19 da empresa chinesa Sinopharm. A solicitação foi apresentada pela empresa Blau Farmacêutica, que representa o laboratório chinês no Brasil no caso do imunizante contra o coronavírus SARS-CoV-2.

Segundo a Anvisa, "as primeiras 24 horas serão utilizadas para fazer uma triagem do processo e verificar se os documentos necessários para avaliação estão disponíveis. Se houver informações importantes faltando, a Agência pode solicitar as informações adicionais ao laboratório".

Anvisa começa a analisar pedido de uso emergencial da vacina da Sinopharm contra a COVID-19 (Imagem: Twenty20photos/Envato)
Anvisa começa a analisar pedido de uso emergencial da vacina da Sinopharm contra a COVID-19 (Imagem: Twenty20photos/Envato)

No entanto, a solicitação de uso emergencial da vacina da Sinopharm contra a COVID-19 deve seguir de maneira acelerada. Isso porque, em maio, o imunizante foi aprovado para uso emergencial pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ou seja, as análises de segurança e eficácia já foram realizadas por outras agências reguladoras no mundo. Inclusive, a vacina pode ser distribuída através da iniciativa COVAX Facility, programa do qual o Brasil faz parte.

Como funciona a vacina da Sinopharm?

A vacina da Sinopharm contra a COVID-19 é produzida a partir do coronavírus inativado ("morto") — um método bastante tradicional e conhecido para a fabricação de imunizantes, como a CoronaVac. Este imunizante é também aplicado em duas doses, com um intervalo de três a quatro semanas entre elas. Até o momento, o produto é recomendado para pessoas com 18 anos ou mais.

No caso do imunizante da Sinopharm, os estudos clínicos não foram conduzidos no Brasil, mas isso não impede o pedido de uso emergencial na Anvisa, por exemplo. Na Fase 3 dos estudos clínicos, o imunizante obteve uma eficácia de 79,34%. Esse estudo foi desenvolvido em países como Argentina, Peru, Emirados Árabes, Egito e China.

Além disso, "é um produto fácil de armazenar e distribuir, sem requerer condições extremas de temperatura para a sua conservação. Uma novidade é que os frascos da Sinopharm usam um pequeno adesivo que muda de cor quando a vacina é exposta ao calor, permitindo que os profissionais de saúde vejam se a vacina pode ser usada com segurança", detalhou a Anvisa anteriormente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos