Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    34.940,86
    -296,42 (-0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Anvisa recebe novo pedido do Ministério da Saúde para importação da vacina Covaxin

·3 minuto de leitura
Anvisa recebe novo pedido do Ministério da Saúde para importação da vacina Covaxin
Anvisa recebe novo pedido do Ministério da Saúde para importação da vacina Covaxin

Nesta semana, o Ministério da Saúde protocolou nova solicitação de autorização para importar 20 milhões de doses da vacina Covaxin/BBV152, produzida na Índia, onde o imunizante contra a Covid-19 tem autorização para uso emergencial. O pedido foi feito na segunda-feira (24), após negativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) à requisição anterior, feita em 22 de março.

Segundo o governo, depois que a Diretoria Colegiada da Agência decidiu, por unanimidade, indeferir a autorização excepcional e temporária para importação e distribuição do imunizante indiano, o Ministério da Saúde e a Precisa Comercialização de Medicamentos seguiram em tratativas com o órgão para adequar os aspectos que motivaram a negativa.

anvisa
O laboratório Bharat Biotech foi inspecionado pela Anvisa e não apresentou bom desempenho quanto aos requisitos de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos exigidos pela agência. Imagem: Leonidas Santana – Shutterstock

Anvisa realizou inspeção na fábrica indiana e não identificou boas práticas sanitárias

De acordo com a Anvisa, o primeiro pedido de Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos da Bharat Biotech, fabricante da Covaxin, foi negado após realização de inspeção nas dependências da fábrica.

A decisão da agência, assinada pela gerente-geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária, Ana Carolina Moreira Marino Araújo, foi publicada na edição de 30 de março do Diário Oficial da União (DOU).

Leia mais:

“Considerando o descumprimento dos requisitos de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos, ou o descumprimento dos procedimentos de petições submetidas à análise, preconizados em legislação vigente, resolve: Art. 1º Indeferir o(s) Pedido(s) de Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos da(s) empresa(s) constante(s) no anexo”, diz a resolução.

Na justificativa apresentada pela agência consta o descumprimento de três artigos da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 69/2014 do órgão regulador, que se referem aos documentos que devem ser apresentados no processo, às especificações que devem ser estabelecidas para intermediários e insumos farmacêuticos ativos e à validação dos métodos farmacopeicos usados pela empresa.

Ainda de acordo com o órgão regulador, também foram descumpridos cinco artigos da Instrução Normativa (IN) 36/2019, que tratam de parâmetros operacionais críticos que afetam a qualidade do produto, de métodos de esterilização, de medidas que precisam ser adotadas para se evitar o risco de uma nova contaminação de produtos, de segurança contra a completa inativação do organismo vivo, entre outros problemas.

A decisão da agência cita também a violação de três artigos previstos na IN 35/2019: o 108, o 154 e o 158, que versam sobre o monitoramento da biocarga, sobre o tempo requerido para se filtrar um volume conhecido da solução a granel e determinam que o filtro não deve afetar o produto.

Por fim, o indeferimento também cita o descumprimento do artigo 94 da IN 47/2019, que determina que “todos os métodos analíticos, utilizados na qualificação, validação ou limpeza, devem ser validados com os limites de detecção e quantificação adequados”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!