Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,31 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.836,10
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    35.208,70
    +154,21 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,64 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -15,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Anvisa pede que SP reavalie redução de prazo para reforço contra Covid

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), em resposta à Prefeitura de São Paulo, pede que a cidade reavalie a redução no intervalo entre a segunda dose e a dose de reforço das vacinas contra a Covid.

Nesta quinta-feira (2), o governo estadual paulista anunciou a diminuição de cinco para quatro meses no intervalo para a dose de reforço. Seguindo a nova medida, a prefeitura de São Paulo começou já nesta sexta (3) a aplicação das doses de reforço em pessoas com mais de 18 anos que tomaram a segunda dose há pelo menos quatro meses.

A Anvisa afirma não ter recebido nem avaliado dados que "sustentem o uso seguro e generalizado de doses de reforço no intervalo de 4 (quatro) meses para todas as vacinas autorizadas e em uso no Brasil".

Na mesma linha, especialistas afirmam que não há dados que embasem a decisão do governo de São Paulo, tomada em meio aos registros do primeiros casos da variante ômicron, potencialmente mais transmissível e com maior risco de reinfecção, em comparação a cepas anteriormente identificadas.

Os primeiros casos da nova variante no Brasil, inclusive, foram registrados em São Paulo, em pessoas vindas da África do Sul, país onde a cepa foi descoberta.

Segundo a agência, até o momento não se sabe "se os benefícios superam os riscos para o uso de reforço no intervalo de quatro meses".

Além disso, a Anvisa, em nota, também aponta a prerrogativa do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde como orientador das campanhas de vacinação no país e que se deve evitar assimetrias no acesso à imunização.

A agência afirma ainda ter recomendado ao Ministério da Saúde um novo programa para monitoramento e farmacovigilância de vacinas usadas em regimes que não constam nas bulas.

Somente a vacina da Pfizer tem em sua bula, após aprovação da Anvisa, uma dose de reforço. A aprovação é para a vacinação homóloga (aplicação em pessoas que já receberam as duas doses iniciais do imunizante da farmacêutica).

Está em curso a análise sobre inclusão de doses de reforço nas bulas das vacinas da AstraZeneca e da Janssen. O Instituto Butantan não solicitou análise sobre a aplicação de uma dose de reforço da Coronavac.

Além disso, a diretoria colegiada da Anvisa aprovou a orientação de que a dose de reforço da vacinação da Covid seja preferencialmente aplicada com modelo igual ao usado no ciclo básico nos casos da Pfizer, Janssen e AstraZeneca.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos